EUA e UE ameaçam Irã com mais sanções por programa nuclear

No Iraque, secretário de defesa diz que haverá punições significativas caso Teerã não mude de rumo

Reuters,

11 de dezembro de 2009 | 09h15

O secretário norte-americano de Defesa, Robert Gates, disse na sexta-feira durante visita ao norte do Iraque que espera a adoção de novas sanções internacionais ao Irã por causa do seu programa nuclear. No mesmo dia, reunidos em Bruxelas, líderes da União Europeia manifestaram "grave preocupação" com as ambições atômicas de Teerã, e também alertaram para novas sanções.

Veja também:

especial O programa nuclear do Irã

especial O histórico de tensões e conflitos no país

"Acho que vocês verão algumas sanções adicionais significativas impostas pela comunidade internacional, supondo que os iranianos não mudem de rumo e concordem com as coisas às quais aderiram no começo de outubro", afirmou Gates.

Ele se referia a um acordo pelo qual o Irã enviaria ao exterior o seu estoque de urânio pouco enriquecido, de modo a não ter chance de transformá-lo em matéria-prima para armas nucleares. Em troca, Teerã receberia combustível para um reator de pesquisas médicas. O país posteriormente desistiu da troca.

Estados Unidos, Grã-Bretanha e França alertaram para novas sanções na quinta-feira durante debate no Conselho de Segurança da ONU, embora Rússia e China continuem relutantes.

O Ocidente acusa o Irã de tentar desenvolver armas nucleares, embora a República Islâmica insista no caráter pacífico das suas atividades. Governos ocidentais dizem que a recente revelação da existência de uma segunda usina de enriquecimento de urânio torna a argumentação iraniana menos crível.

Pressão europeia

Em nota a ser aprovada na sua cúpula, os líderes da UE exigem que o Irã cumpra sem demoras as resoluções do Conselho de Segurança e da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, um órgão da ONU).

Os 27 países do bloco "expressam sua grave preocupação por o Irã até agora não ter feito nada para reconstruir a confiança da comunidade internacional sobre a natureza exclusivamente pacífica do seu programa nuclear."

A UE reitera estar aberta a negociações, mas alerta que "o persistente fracasso do Irã em cumprir suas obrigações internacionais e a aparente falta de interesse do Irã em participar de negociações exigem uma resposta clara, inclusive por meio de medidas apropriadas."

"Medidas apropriadas" é o termo que a UE costuma usar para se referir às sanções.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.