EUA, França e Rússia propõem negociações nucleares com Irã e AIEA

Anúncio foi feito por chanceler russo; diálogo só ocorrerá se iranianos paralisarem enriquecimento

estadão.com.br

29 de junho de 2010 | 11h27

JERUSALÉM - EUA, Rússia e França propuseram a realização de uma reunião de especialistas do setor nuclear com representantes do Irã e sob a supervisão de inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), disse nesta terça-feira, 29, o ministro de Exteriores russo, Serguei Lavrov, indica a agência de notícias AFP.

 

Veja também:

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções aplicadas ao Irã

 

"Como resposta à iniciativa turco-brasileira, Rússia, França e EUA propuseram ao diretor geral da AIEA que organize uma reunião de especialistas técnicos dos três países com especialistas iranianos para solucionar as questões do fornecimento de combustível para o reator de pesquisas" iraniano", disse Lavrov.

 

O chanceler russo, porém, disse que isso seria possível somente quando "o Irã deixar de enriquecer urânio a 20%". "Espero que o Irã conteste de modo construtivo, porque isso permitira estabelecer as bases para uma solução para a questão", acrescentou o chanceler, que dava entrevista com seu homólogo israelense, Avigdor Lieberman.

 

A Turquia, por sua vez, pediu ao Irã e às grandes potências nesta terça que possibilitem o cumprimento do acordo de troca de material nuclear firmado com a ajuda do Brasil em junho e que novas conversas sobre o programa nuclear iraniano sejam iniciadas. "Se as partes não negociam, a situação vai piorar. O presidente Mahmoud Ahmadinejad falou do mês de agosto. Nós preferimos que seja antes", disse Burak Ozugergin, porta-voz da chancelaria turca.

 

Ahmadinejad declarou na segunda-feira que o Irã não retomaria as negociações com as grandes potências sobre seu controvertido programa nuclear antes do fim de agosto para "ensiná-las" como seu país negocia. Ele também pediu a participação de Brasil e Turquia no diálogo.

 

O ministro de Relações Exteriores do Irã, Manoucher Mottaki, por sua vez, disse que a paralisação das negociações não afeta uma eventual troca de combustível nuclear. A data do fim de agosto "só se refere às negociações com o 5+1", disse ele. O 5+1 é o grupo formado pelos cinco membros do Conselho de Segurança da ONU - China, EUA, Reino Unido, França e Rússia - e a Alemanha que negociou a sanções contra o Irã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.