EUA impõem novo pacote de sanções ao Irã

Medida é nova tentativa de pressionar pelo fim de programa nuclear e de supostas atividades 'terroristas'

Agências internacionais,

25 de outubro de 2007 | 11h38

Em uma nova manobra para tentar dissuadir o Irã de suas pretensões nucleares, os Estados Unidos impuseram nesta quinta-feira, 25, um novo pacote de sanções ao regime dos aiatolás, numa manobra que deve acirrar ainda mais as tensões entre Washington e Teerã.   Veja TambémEUA enviarão caças a Israel 'para manter vantagem sobre Irã' Segundo a Associated Press, essas são as mais duras sanções impostas ao país desde a tomada da embaixada americana por militantes islâmicos em 1979. A medida, que visa punir a República Islâmica por suas supostas atividades terroristas no Iraque e no Oriente Médio, venda de mísseis e atividades nucleares, foi anunciada pela secretária americana de Estado, Condoleezza Rice, e o secretário do Tesouro, Henry Paulson, e inclui restrições ao ministério da Defesa, à Guarda Revolucionária e a uma série de bancos e instituições financeiras iranianas. Segundo a secretária de Estado, a manobra é uma resposta a uma "ampla política de confronto e comportamento ameaçador dos iranianos". Ainda assim, ela voltou a destacar que Washington está aberto "a uma solução diplomática" para o impasse entre os dois países. Mais cedo nesta quinta-feira, uma autoridade do Departamento de Estado americano classificou as medidas como uma tentativa de pressionar Teerã a interromper seu programa nuclear e acabar com suas atividades "terroristas". Os Estados Unidos, assim como alguns de seus aliados ocidentais, acusam o Irã de manter um programa nuclear secreto cujo objetivo seria a construção armas de destruição em massa. Teerã nega as acusações, e diz que seu objetivo é desenvolver energia nuclear para fins pacíficos. Rice acrescentou: "Infelizmente, o governo iraniano continua a rejeitar nossa oferta de negociações abertas, ameaçando a paz e segurança através da busca de tecnologias nucleares que poderão levar à construção de uma bomba nuclear, assim como construindo perigosos mísseis balísticos e apoiando militantes xiitas no Iraque e terroristas no Iraque, Afeganistão, Líbano e nos territórios palestinos." As sanções Anunciada por Rice, a Ordem Executiva nº 13382 classifica a Guarda Revolucionária iraniana como um "proliferador de armas de destruição em massa" devido a seu programa de desenvolvimento de mísseis balísticos. Com a determinação, as autoridades americanas estão autorizadas a congelar os bens e proibir qualquer cidadão ou organização americana de negociar com a Guarda. A determinação deve cortar mais de 20 entidades iranianas - incluídos indivíduos e companhias controladas pela Guarda Revolucionária - do sistema financeiro americanos, e terá efeitos na comunidade bancária internacional. O Ministério da Defesa, que controla a indústria bélica iraniana, assim como três bancos e várias companhias controladas pela Guarda também enfrentarão sanções.  A Força Quds da Guarda Revolucionária - uma tropa de elite acusada pelos Estados Unidos de apoiar militantes xiitas no Iraque - também será alvo de um pacote de sanções independente. A Ordem Executiva nº 13224 classifica a Força como "apoiadora do terrorismo" e autoriza os Estados Unidos a identificar indivíduos, executivos e organizações de caridade como grupos extremistas engajados no terrorismo.  Tensões O anúncio desta quinta-feira é o último capítulo de semanas de trocas de acusações entre os dois lados. Há alguns dias, o presidente americano, George W. Bush, disse que o mundo deveria impedir que o Irã obtivesse armamentos nucleares caso queira evitar a 3ª Guerra Mundial. Para Rice, as novas sanções irão "significar um poderoso fator de dissuasão" para companhias americanas e estrangeiras que tenham interesses em se relacionar com o Irã. Segundo Paulson, o Irã canaliza milhões de dólares anualmente para financiar atos terroristas.  "Se você está negociando com o Irã, é muito provável você esteja negociando com a Guarda Revolucionária", disse o secretário do Tesouro americano.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãGuarda Revolucionária do Irã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.