EUA lançam nova ofensiva militar no Iraque

Exército americano confirma incursões em Diyala; oficiais encontram 18 corpos com sinais de tortura em Bagdá

Agências internacionais,

14 de agosto de 2007 | 09h03

Forças dos EUA lançaram nesta terça-feira, 14, uma grande ofensiva na Província iraquiana de Diyala, como parte de uma nova iniciativa militar anunciada nesta semana contra militantes sunitas e xiitas. Autoridades também confirmaram nesta terça que pelo menos 10 pessoas morreram em um atentado e 18 corpos foram encontrados na capital iraquiana. Além disso, quatro soldados americanos morreram em incursões no país. Veja também: O mapa iraquiano Os militares disseram que há 16 mil soldados norte-americanos e iraquianos envolvidos na operação, voltada contra militantes sunitas da Al Qaeda em Diyala, uma região agrícola.A operação começou com uma incursão aérea no fim da noite, segundo os militares. O alvo da operação são militantes que fugiram de uma ação anterior em Baquba, a capital provincial, embrenhando-se pelo vale do rio Diyala, ao norte."Nosso principal objetivo é eliminar organizações terroristas e mostrar a elas que elas realmente não têm refúgios de verdade, especialmente em Diyala", disse em nota o general Benjamin Mixon, comandante das tropas dos EUA ao norte de Bagdá.Essa ação é descrita como parte da Operação Ataque Fantasma, anunciada na segunda-feira pelos EUA e em vigor no Iraque inteiro.Até agora, há poucos detalhes da operação em âmbito nacional. Mas há meses os EUA realizam ofensivas nos vales dos rios Tigre e Diyala ao norte de Bagdá e no vale do Eufrates, ao sul.  Onda de violência Uma ponte sobre um braço do Tigre caiu devido à explosão de um caminhão-bomba sobre ela, que atirou três carros na água, segundo a polícia. Houve dez mortos e seis feridos. O ataque ocorreu perto da hora do almoço, pelo horário local. O alvo foi a ponte Thiraa Dijla, em Taji, uma cidade situada próxima de uma base militar americana 20 quilômetros ao norte da capital iraquiana, prosseguiu a polícia. Em outro incidente, as forças dos EUA anunciaram ter matado quatro pessoas na invasão da favela xiita de Sadr City, em Bagdá. Parentes dizem que uma menina de cinco anos está entre os mortos.Dezoito corpos foram achados nas últimas horas nas ruas de Bagdá, a maioria apresentando claros sinais de terem sido torturados e depois executados, informaram fontes policiais. As vítimas tinham os olhos vendados, as mãos amarradas e foram lançadas em áreas de difícil acesso. Milhares de pessoas foram assassinadas dessa forma desde fevereiro de 2006, quando insurgentes sunitas explodiram a cúpula dourada do mausoléu xiita de Samarra.Os EUA enviaram neste ano 30 mil soldados adicionais ao Iraque e os transferiram de quartéis maiores para guarnições menores em bairros, na tentativa de reduzir a violência sectária na capital e em províncias vizinhas. Três soldados americanos morreram e um foi ferido após a explosão de uma bomba na estrada por onde passava a patrulha em que viajavam, no norte do Iraque, informou o Exército dos Estados Unidos. Em outro incidente, um soldado morreu e outros três foram feridos em operações de combate no oeste de Bagdá. Já são 37 os soldados americanos mortos no Iraque em agosto e 3.695 o total desde a invasão do país, em março de 2003. As forças dos EUA dizem estar tendo sucesso, especialmente contra os militantes sunitas que foram seus maiores inimigos nos três primeiros anos desde a queda do regime de Saddam Hussein.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUEOFENSIVAEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.