EUA mudarão status de tropas para seguirem no Iraque, diz NYT

Para continuar no país após prazo de acordo, soldados serão chamados de 'instrutores' ou 'conselheiros'

Agências internacionais,

22 de dezembro de 2008 | 21h43

Após o prazo estipulado pelo acordo entre Estados Unidos e Iraque para a saída dos americanos do país, em 30 de junho de 2009, as tropas de combate dos EUA devem permanecer na região como "instrutores" ou "conselheiros", informou o jornal The New York Times nesta segunda-feira, 22.   Veja também: Iraque adia votação sobre permanência de tropas estrangeiras EUA devolvem o palácio de Saddam ao Iraque em janeiro Em 2009, apenas EUA devem permanecer no Iraque    Apesar do acordo com o governo iraquiano prever que todas as forças de combate americanas devam deixar as cidades iraquianas até esta data, a mudança de status deve assegurar que os soldados continuem no combate, apenas sendo chamados por outro nome.   "Às vezes ocorrem disparos contra os instrutores e eles tem de responder", disse John A. Nagl, tenente-coronel aposentado, um dos autores do novo manual anti-insurgência do Exército, segundo o New York Times.   A questão será difícil para o presidente eleito Barack Obama, que durante a campanha presidencial prometeu o fim da impopular guerra no país árabe. Mas depois que o democrata se reuniu com seus novos conselheiros militares - o secretário da Defesa Robert Gates e o chefe do Estado-Maior Mike Mullen - ficou claro que sua definição de fim da guerra significa deixar milhares de soldados americanos no país.   Pelo novo pacto de segurança, no próximo ano a polícia e os soldados iraquianos devem tomar as rédeas da segurança no país árabe, e as forças de combate americanas devem deixar as cidade e vilas até o prazo estipulado. A partir daí, segundo o acordo, não poderiam conduzir operações sem autorização do governo iraquiano.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.