EUA negam envolvimento em ataque que matou 29 no Irã

Autoridades iranianas afirmaram que mão estendida ao país por Barack Obama é tingida de sangue

Efe e Reuters,

18 de outubro de 2009 | 11h50

O Governo dos Estados Unidos condenou o atentado cometido neste domingo, 18, contra a Guarda Revolucionária iraniana e negou seu envolvimento no episódio, no qual 35 pessoas morreram e pelo menos 27 ficaram feridas.

 

Veja também:

linkIrã atribui atentado a 'mercenários da arrogância mundial'

linkApós atentado, deputados do Irã pedem 'morte aos EUA'

 

Em nota, o porta-voz do Departamento de Estado, Ian Kelly, afirmou que "as informações que apontam para uma participação americana são absolutamente falsas". "Condenamos este ato de terrorismo e lamentamos a perda de vidas inocentes", acrescentou o funcionário.

 

Mais cedo, o presidente do Parlamento iraniano, Ali Larijani, tinha dito que o atentado foi fruto da política dos Estados Unidos na região. "No passado, houve notícias sobre os contatos dos EUA com alguns grupos terroristas da região, o que demonstra a inimizade dos americanos em relação ao desenvolvimento de nosso país", disse Larijani minutos antes de partir rumo à Suíça, onde vai participar de uma conferência interparlamentar.

 

O político iraniano lembrou que o novo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que estendia a mão ao Irã. "Vemos que é uma mão tingida de sangue", comentou o parlamentar.

 

O ataque contra a Guarda Revolucionária iraniana foi registrado na conflituosa província do Sistão-Baluchistão, na fronteira com o Paquistão e o Afeganistão. Entre os mortos, estão dois oficiais de alta patente e cerca de dez líderes tribais sunitas e xiitas.

 

O grupo radical sunita Yundulah, que teria ligações com a Al-Qaeda, assumiu a autoria do atentado, segundo o procurador-geral do Sistão-Baluchistão, Mohamad Marzieh.

 

Punição

 

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, determinou às autoridades do país que encontrem e punam os responsáveis pelo ataque suicida deste domingo na região sudeste do país, disse a agência de notícias oficial IRNA.

Ahmadinejad disse que "os criminosos que cometeram... crimes contra a humanidade... serão gravemente responsabilizados", informou a agência.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEUAataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.