EUA pressionam por mais diálogo para criação de Estado palestino

A secretária de Estadonorte-americana, Condoleezza Rice, pressionou nestaquinta-feira Israel e os palestinos para que conversem sobre asquestões-chave que poderão levar à criação de um Estadopalestino. Os temas mais problemáticos são o futuro de Jerusalém, asfronteiras de um Estado palestino e o direito de retorno derefugiados. Israel rejeita um acordo tão amplo neste momento, mas Riceafirmou que o primeiro-ministro Ehud Olmert disse estardisposto a debater temas fundamentais, mas não deu detalhes dequais seriam eles. "Deve haver um aprofundamento do diálogo entre ospalestinos e os israelenses em todos os temas que levem àfundação de um Estado palestino", disse ela em entrevistacoletiva ao lado do presidente palestino, Mahmoud Abbas. Rice está em visita à Cisjordânia com o objetivo de ajudarAbbas e seu governo, seis semanas depois que o grupo islâmicoHamas dominou a Faixa de Gaza. Uma autoridade do governo israelense disse que Israel estápreparado para começar a debater assuntos de fronteira emtermos gerais com Abbas. Por outros lado, segundo a fonte, odestino de Jerusalém e dos refugiados palestinos seriamquestões muito delicadas para este momento. Na entrevista coletiva, Abbas declarou ser importante queos palestinos "saibam qual será o resultado, qual será o finaldo jogo" nas negociações com Israel. Na viagem de quatro dias ao Oriente Médio, Rice conseguiu oapoio tácito da Arábia Saudita para uma proposta de conferênciade paz ainda este ano. Mas analistas estão pessimistas sobreresultados da visita da secretária, já que, agravando asituação, os territórios palestinos estão divididos entre oHamas e a facção Fatah, de Abbas. (Com reportagem de Adam Entous)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.