EUA prometem soltar 50 iraquianos por dia no Ramadã

Pelo menos 23 mil pessoas estão detidas em prisões americanas; libertações podem começar nesta semana

REUTERS

31 de agosto de 2007 | 08h21

Cinquenta iraquianos serão libertados diariamente de prisões norte-americanas no Iraque durante o mês de jejum muçulmano do Ramadã. A afirmação é do gabinete do vice-presidente sunita, Tareq al-Hashemi, após o anúncio de militares dos EUA sobre o acordo para o mês sagrado, que começa em setembro.   Não ficou claro quando os detentos deixarão as prisões, mas os militares disseram que o processo pode começar já nesta semana. O Exército dos EUA afirma ter 23 mil iraquianos sob custódia.   "Cinquenta prisioneiros iraquianos serão libertados de prisões americanas todos os dias durante o Ramadã", disse em comunicado Omar al-Jubouri, assessor de direitos humanos de Hashemi.   Forças dos EUA e iraquianas prenderam milhares de pessoas sem acusação nos quatro anos depois da queda do presidente Saddam Hussein.   Muitos são árabes sunitas acusados de participação na insurgência contra o governo liderado por xiitas, e o tratamento na cadeia é um tema emotivo para a comunidade árabe sunita, minoria no país.Hashemi vinha reclamando há muito tempo da detenção de sunitas. O tema foi citado como um dos motivos que levaram o bloco político sunita a deixar o governo no começo deste mês.

Tudo o que sabemos sobre:
IRAQUERAMADAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.