EUA propõem novas negociações sobre Oriente Médio

Os Estados Unidospropuseram novas conversas em um esforço para chegar a umacordo sobre um Estado palestino antes de o presidente GeorgeW. Bush deixar o cargo em janeiro, disse o negociador-chefepalestino no sábado. Ahmed Qurie disse que a secretária de Estadonorte-americana, Condoleezza Rice, convidou israelenses epalestinos para uma série de conversas trilaterais em Nova Yorke Washington. Ele acrescentou que se Israel mudar sua posição em umasérie de pontos-chave, "nós podemos chegar a um acordo até ofinal do ano". No início do mês, Qurie disse que seria um "milagre"alcançar um acordo em 2008. Ainda não está claro o que mudoudesde então. O experiente negociador palestino Saeb Erekat disse quehouve algum progresso e que um acordo era "factível, masnenhuma das questões foram consensuadas ainda". Qurie disse que as negociações estavam em um ponto similarao de 2000, quando as conversas sobre um Estado palestino em umresort no Mar Vermelho no Egito terminaram sem um acordo. O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, e o presidenteda Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, lançaram a primeirarodada de conversas de paz em sete anos em Annapolis, EUA, emnovembro passado. Mas disputas amargas sobre os assentamentos judeus naCisjordânia minaram os esforços dos EUA de atingir um acordo depaz neste ano. Olmert está envolvido em um escândalo de corrupção que podeforçá-lo a sair do cargo e interromper no futuro as conversasde paz. Negociadores de ambos os lados disseram que houve progressoem algumas questões e começaram a elaborar um documento comsuas posições na tentativa de estreitar as diferenças entreelas. Autoridades israelenses dizem que houve progresso notópico-chave das fronteiras. Entre os temas mais delicados nas conversas estão o destinode Jerusalém e dos refugiados palestinos, os assentamentosjudeus, as fronteiras, segurança e água.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.