EUA, Rússia e França iniciam negociações com o Irã

Assunto entre potências e República Islâmica será exportação de urânio enriquecido a níveis seguros

Efe,

19 de outubro de 2009 | 11h37

Delegações dos EUA, da Rússia e da França se reúnem com representantes do Irã a partir das 15 horas (11 horas de Brasília) desta segunda-feira, 19, em Viena, na sede da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), a fim de negociar uma fórmula para processar seu urânio enriquecido no exterior, como medida para criar confiança.

 

Veja também:

linkGrupo sunita Jundollah reivindica autoria de atentado no Irã

linkIrã culpa EUA, Grã-Bretanha e Paquistão por ataque suicida

linkIrã diz que enriquecerá urânio se negociações fracassarem

linkPutin alerta potências sobre intimidar Irã com sanções

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

Os três países analisarão com os iranianos os termos do envio de cerca de 1,2 toneladas de urânio pouco enriquecido à Rússia, onde deve ser enriquecido até cerca de 20% de pureza.

 

O plano, idealizado pelo Ocidente na reunião de Genebra em 1º de outubro, prevê a posterior transferência do urânio à França, onde seria transformado em combustível nuclear e depois devolvido ao Irã para uso em um reator científico em Teerã. Esse reator funcionava até agora com combustível atômico de fabricação argentina, recebido em 1993 e que está acabando.

 

As mais recentes declarações dos responsáveis iranianos dificultaram as possibilidades de um acordo, já que, segundo Teerã, a negociação não trata sobre o envio de urânio ao exterior, mas sobre a compra desse material à França, Rússia ou, inclusive, EUA.

 

O encontro entre os especialistas dos quatro países, que durará cerca de dois ou três dias, devido à complexidade técnica, é considerado crucial para o futuro das negociações internacionais sobre o polêmico programa nuclear iraniano.

 

Se conseguir um acordo, a comunidade internacional ganharia tempo para as conversas, ao retirar do Irã 80% do urânio enriquecido até agora até abaixo de 5% - cerca de 1,5 mil quilos, segundo a AIEA - na planta de Natanz (centro do Irã). Para fabricar uma bomba atômica, são necessários cerca de 2 mil quilos de urânio enriquecido acima de 90%.

 

O encontro em Viena está em meio à incerteza, também pelo nível dos representantes enviados pelas partes envolvidas. O chefe da delegação de Teerã será o embaixador iraniano na AIEA, Ali Asghar Soltaniyeh, e a ausência do próprio chefe do programa nuclear iraniano, Ali Akbar Salehi, reduziu as expectativas da reunião e aumentou a incerteza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.