EUA sancionam cinco grupos iranianos por trabalhos nucleares

O Tesouro dos Estados Unidos impôsnesta terça-feira sanções contra mais cinco entidades iranianasque supostamente teriam apoiado ou fornecido materiais para osprogramas nuclear e de mísseis do Irã. O Tesouro disse que as entidades, designadas comoproliferadoras de armas de destruição em massa, são controladasou agem a favor de entidades iranianas responsáveis peloenriquecimento de urânio, trabalhos de desenvolvimento nucleare programas de mísseis balísticos. Na lista de sanções do Tesouro estavam entidades como oCentro de Pesquisa Nuclear para a Agricultura e Medicina emKaraj, e o Centro de Pesquisa e Produção de Combustível Nuclearde Eshfahan. A medida proíbe americanos de negociar com estesgrupos e congela qualquer ativo que poderiam possuir sob ajurisdição dos Estados Unidos. Potências ocidentais temem que o governo de Teerã queiraconstruir uma bomba atômica. O Irã diz que procura apenasdominar a energia nuclear para gerar energia elétrica. "Estas entidades nucleares e de mísseis foram usadas peloIrã para esconder sua conduta ilícita e para promover suasperigosas ambições nucleares", disse Stuart Levey,subsecretário do Tesouro para terrorismo e inteligênciafinanceira. "Instituições financeiras e empresas responsáveis no mundotodo estão dando passos para evitar de fazer negócios comentidades nucleares e de mísseis iranianas, assim como ascompanhias utilizadas pelo regime iraniano para disfarçar suasatividades", disse Levey em um comunicado. As novas medidas vêm em um momento em que Estados Unidos,Grã-Bretanha, França e Alemanha estão considerando imporsanções econômicas mais amplas, além das diretrizes queprovavelmente serão consideradas na próxima rodada de sançõesda Organização das Nações Unidas. Uma autoridade britânica disse na última sexta-feira que asáreas consideradas podem incluir o setor de gás naturalliquefeito, investimentos em petróleo e gás, produtos refinadosimportados, resseguro e outras áreas financeiras. (Reportagem de David Lawder)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.