EUA subestimaram problemas políticos do Iraque, diz Gates

O secretário da Defesanorte-americano, Robert Gates, disse na quinta-feira que osEstados Unidos subestimaram a dificuldade que os líderespolíticos iraquianos teriam para entrar em acordo sobre asmedidas de conciliação do país. Gates, em viagem pelo Oriente Médio, também disse terpedido aos países da região para redobrar a pressão sobre oprograma nuclear do Irã. "Não há espaço para espectadores",disse ele. O secretário disse estar mais otimista agora que nos mesesanteriores sobre a situação no Iraque, principalmente por causado aumento do contingente norte-americano, mas os progressospolíticos mostraram-se mais difíceis que o previsto. O principal bloco muçulmano sunita deixou o governo dopremiê Nuri al-Maliki, que é xiita, na quarta-feira,evidenciado a dificuldade de relacionamento entre as váriasfacções. "É provável que tenhamos subestimado a intensidade dadesconfiança e o quão difícil seria para eles chegar a um pontocomum numa legislação que, digamos a verdade, não é uma coisameramente secundária", disse Gates. "O tipo de legislação que eles estão decidindo estabelece aestrutura do Iraque do futuro, portanto é quase como nossaconvenção constituinte", disse ele a repórteres no avião, naviagem de volta para os Estados Unidos. Os líderes iraquianos prometem aprovar leis que tratem daspreocupações da minoria sunita, que dominava o país sob SaddamHussein. Entre as medidas reclamadas estão a divisão da receitagerada pelo petróleo e a atenuação das restrições aosex-integrantes do partido Baath, de Saddam. Mas as leis aindanão foram aprovadas. "É claro que a saída dos sunitas do governo édesalentadora. Minha esperança é que dê para unir tudo denovo", disse Gates.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.