EUA tentam superar impasse no Oriente Médio

Os líderes israelense e palestino ainda acreditam que possam alcançar um acordo de paz no prazo de um ano, apesar da divergência envolvendo a questão dos assentamentos judaicos, disse nesta terça-feira o representante especial dos Estados Unidos para o Oriente Médio, George Mitchell, após reuniões no Egito,.

ARSHAD MOHAMMED E CRIS, REUTERS

14 de setembro de 2010 | 10h52

Aparentemente, não surgiram concessões nesse tema durante as negociações que tiveram a participação da secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e do presidente palestino, Mahmoud Abbas.

Uma moratória unilateral de Israel na construção de novas casas em assentamentos da Cisjordânia expira em 30 de setembro. Os palestinos ameaçam abandonar o processo de paz se as obras forem retomadas.

Mas Mitchell se mostrou otimista. "O presidente Abbas e o primeiro-ministro Netanyahu continuam concordando que essas negociações, cuja meta é resolver todas as questões centrais, possam ser completadas em um ano", disse Mitchell a jornalistas no balneário egípcio de Sharm el-Sheikh.

Ele declarou que as negociações vão continuar na quarta-feira em Jerusalém, com a participação de Hillary.

"Hoje as partes começaram uma discussão séria sobre as questões centrais", disse Mitchell. "O presidente Abbas e o primeiro-ministro Netanyahu reiteraram também sua intenção de abordar essas negociações com boa fé e com seriedade de propósitos."

Os dois líderes não fizeram declarações públicas durante a cúpula no Egito. Foi a primeira reunião deles depois da retomada formal do processo de paz, no dia 2 de setembro, em Washington, após um hiato de 20 meses.

Netanyahu, cuja coalizão de governo é dominada por partidos pró-colonos, disse no domingo que não pretende prorrogar a moratória nos assentamentos, mas que limitaria as obras em algumas colônias judaicas.

Ecoando a posição do presidente dos EUA, Barack Obama, Mitchell disse: "Achamos que faz sentido ampliar a moratória, especialmente porque as negociações estão avançando numa direção construtiva."

Mitchell disse que Washington sabe que "se trata de uma questão politicamente delicada em Israel" e acrescentou que cabe também a Abbas "dar passos que ajudem, encorajem e facilitem esse processo."

(Reportagem adicional de Marwa Awad em Sharm el-Sheikh, Edmund Blair no Cairo e Mohammed Assadi em Ramallah)

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDEUAEGITO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.