EUA testam disposição de Israel para negociações de paz

Os Estados Unidos querem que Israel amplie suas negociações com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, na esperança de que eles comecem a discutir as principais questões envolvendo um futuro Estado palestino, disseram diplomatas e autoridades israelenses na terça-feira. Washington tenta fortalecer Abbas depois que sua facção, a Fatah, perdeu o controle da Faixa de Gaza para o Hamas, há seis semanas. Na quarta-feira, a secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, se reúne em Jerusalém com o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert. Na quinta, ela visita Abbas em Ramallah (Cisjordânia). Pouco antes da visita, os EUA concluíram um plano de segurança que prevê quase 86 milhões de dólares para as forças de Abbas. Olmert e Abbas devem se reunir na semana que vem, provavelmente em Jericó (Cisjordânia). Antes da visita de Rice, autoridades de Israel disseram que Olmert estava disposto a discutir fronteiras e outras questões importantes "em termos gerais" que levem a "acordos de princípios" para a criação do Estado palestino. Mas, ao contrário do que deseja Abbas, Olmert não aceita negociações plenas a respeito das três questões principais -- fronteiras, o status de Jerusalém e o destino dos refugiados palestinos. Autoridades israelenses disseram que assumir um compromisso desses agora poderia elevar as expectativas e provocar mais violência caso as negociações fracassem. Saeb Erekat, assessor de Abbas, defendeu que as questões sejam negociadas por pacotes. "Como separar as fronteiras dos assentamentos? São todos interconectados. Não acho que se possa resolver (os problemas) fragmentando-os", disse. Diplomatas ocidentais disseram que um compromisso de Olmert em começar a discutir as fronteiras como passo preliminar ajudaria Washington a convencer governos da região, como a Arábia Saudita, a participarem de uma conferência internacional prevista para este ano. Olmert deseja a participação dos sauditas e de outros países árabes com os quais Israel não mantém relações. Uma importante fonte israelense disse que a visita de Rice é "exploratória", destinada a ver se Olmert está preparado para lidar com as questões principais. "Os norte-americanos querem ver quanto podem ampliar o ''horizonte político"'', disse outra fonte oficial, sob anonimato. Na semana passada, Olmert disse haver "uma chance no futuro próximo de que o processo amadureça (e se transforme) em um diálogo que iria, com efeito, lidar com os estágios do estabelecimento de um Estado palestino".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.