EUA veem progresso em negociação de paz no Oriente Médio

Os Estados Unidos disseram nesta quarta-feira que veem progresso nas negociações entre israelenses e palestinos para resolver o impasse sobre a construção nos assentamentos judaicos, que ameaça a recém-lançada busca por um acordo de paz na região.

REUTERS

15 de setembro de 2010 | 17h32

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, recebeu o presidente palestino, Mahmoud Abbas, em sua residência, e ambos se cumprimentaram com um aperto de mãos diante da secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton. O encontro se seguiu a uma rodada de negociações no Egito no dia anterior.

Após uma reunião de duas horas, o enviado especial dos EUA para a região, George Mitchell, demonstrou otimismo sobre a continuidade das negociações, apesar do impasse sobre a moratória parcial imposta pelo governo israelense a construções nos assentamentos na Cisjordânia ocupada, que expira em 30 de setembro.

"Esse tema foi discutido esta tarde. Continuamos nossos esforços para progredir nesse assunto e acreditamos que estamos indo bem", disse Mitchell.

Os palestinos já anunciaram que vão abandonar as negociações se as obras forem retomadas nos assentamentos, erguidos sobre territórios que eles desejam para seu Estado.

"Digo que os dois líderes não estão deixando as questões complicadas para o final das discussões... Consideramos esse um indicador forte de que eles acreditam que a paz é possível", acrescentou Mitchell.

Essa foi a primeira visita de Abbas à residência oficial do primeiro-ministro israelense em Jerusalém desde que o direitista Netanyahu chegou ao poder, 18 meses atrás. Abbas já havia participado de conversações no local com o predecessor de Netanyahu, Ehud Olmert.

(Por Arshad Mohammed e Allyn Fisher-Ilan)

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDMITCHELLPROGRESSO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.