Europa e EUA reativam esforços diplomáticos pela paz no Oriente Médio

Objetivo é conseguir o êxito da conferência internacional de Washington

Efe,

02 de setembro de 2007 | 04h36

A União Européia e os Estados Unidos, que compõem o Quarteto de Madri junto com a ONU e a Rússia, reativarão a partir deste domingo, 2, seus esforços diplomáticos com vistas a um reatamento do processo de paz no Oriente Médio. O Alto Representante para segurança e Política Externa da UE, Javier Solana, se reunirá neste domingo na cidade de Ramallah com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, e com seu primeiro-ministro, Salam Fayyad, e em Jerusalém com o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert. É esperado nesta segunda-feira o chanceler da Áustria, Alfred Gusenbauer, e na terça-feira deve chegar a Israel o enviado especial do Quarteto de Madri para o Oriente Médio, o ex-primeiro-ministro do Reino Unido Tony Blair. Solana também se reunirá nesta segunda-feira com a ministra de Assuntos Exteriores de Israel, Tzipi Livni, e com o ministro da Defesa, Ehud Barak, com vistas à próxima conferência de ministros de Exteriores da UE em Portugal, e depois em Nova York por ocasião da inauguração de um novo período de sessões da Assembléia Geral das Nações Unidas. Também é esperado para o próximo dia 11 o ministro de Exteriores da França, Bernard Kouchner, em sua primeira visita a esta região como chefe da diplomacia de seu país. A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, chegará a Israel e aos territórios palestinos no dia 15 deste mês para explorar o andamento dos contatos entre representantes das duas partes nas vésperas da conferência internacional de paz convocada pelo presidente George W. Bush. A reunião, convocada em julho, está prevista para novembro, em Washington, com a participação de Israel, Egito, Jordânia, da Autoridade Nacional Palestina (ANP), da Arábia Saudita e de vários Estados árabes do Golfo Pérsico. Olmert e Abbas, que devem se reunir antes da chegada de Rice, segundo fontes palestinas e israelenses, se propõem a comparecer à conferência de Washington com um acordo sobre os "princípios" gerais que sirvam de plataforma para retomar as negociações de paz, interrompidas desde 2000. Os renovados esforços diplomáticos empreendidos pela UE e os EUA, como os associados ao Quarteto - a principal coalizão para a paz no Oriente Médio - confluem atualmente em um objetivo comum, que é conseguir o êxito da conferência internacional de Washington.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.