Europa pode ajudar a combater contrabando de armas em Gaza

Porta-voz do premiê britânico diz que precauções contra venda ilegal de armas é ponto chave no conflito

Agências Internacionais

17 de janeiro de 2009 | 14h41

A Grã-Bretanha, a França e a Alemanha se ofereceram para ajudar a evitar o contrabando de armas na Faixa de Gaza, em uma carta conjunta aos governos de Israel e do Egito publicada em Berlim neste sábado, 17.   Os países afirmam, de acordo com a versão alemã do texto, que estão prontos para uma série de passos para "contribuir para o fim do contrabando de armas para Gaza". Eles continuariam trabalhando com os governos de Egito e Israel para "implementar essas medidas".   Os detalhes sobre qualquer ajuda naval não estavam imediatamente disponíveis.   Em Londres, o primeiro-ministro Gordon Brown pediu neste sábado recursos navais para ajudar a barrar as armas que são contrabandeadas até a Faixa de Gaza.   "Uma das áreas chave e impedimentos para o cessar-fogo, além dos ataques de foguete, são as preocupações sobre o contrabando de armamentos", disse o porta-voz do premiê britânico, Gordon Brown, na Grã Bretanha.   A ofensiva militar israelense em Gaza já matou mais de mil palestinos. Dez soldados israelenses e três civis, atingidos por foguetes palestinos disparados de Gaza, também morreram.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelPalestinaFaixa de GazaHamas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.