Ex-conselheiro de Saddam quer diálogo com os EUA

Partido Baath afirma que líder foragido busca nova estratégia para participar do processo político do Iraque

Efe,

22 de agosto de 2007 | 09h57

O líder do partido Baath e ex-conselheiro do regime de Saddam Hussein, Izzat Ibrahim al-Douri, pretende adotar uma nova estratégia baseada na "participação no processo político e o diálogo com os Estados Unidos", disse um dos dirigentes da legenda ao jornal pan-árabe Al-Hayat. "A corrente de Douri no Baath decidiu suspender sua coordenação com a rede terrorista Al-Qaeda", disse Abu Wissam al-Yashami ao jornal com sede em Londres. Douri é o único ex-dirigente do conselho de Saddam Hussein a continuar foragido apesar da intensa busca feita por tropas de EUA e Iraque. Com a decisão, Douri tenta resistir aos dois políticos rivais, Mohammed Yunis al-Ahmed e Mujer Awad, que se voltaram contra ele em dezembro de 2003, afirmou o dirigente do Baath. Além disso, a fonte confirmou que essa corrente quer agora "estabelecer um projeto de resistência nacional baseado no uso de armas contra a Al-Qaeda e abrir o diálogo com o governo do Iraque e as tropas estrangeiras". "Entre os canais que Douri quer abrir está permitir aos comandantes de seu grupo que negociem e alcancem acordos com as tropas dos EUA em troca da manutenção do controle da segurança nas áreas em que se encontram", acrescentou. A informação do jornal não pôde ser confirmada por fontes oficiais dos EUA ou Iraque, mas se for, será uma virada fundamental na estratégia de Douri, um dos apoiadores mais "firmes" do regime de Saddam. Saddam Hussein foi executado na forca em 30 de dezembro de 2006 depois que um tribunal especial o declarou culpado pelo massacre de 148 xiitas em 1982 na cidade de Dujail, norte de Bagdá. Desde que o fim do regime de Saddam, em abril de 2003, o paradeiro de Douri é desconhecido. De vez em quando aparecem mensagens na internet nas quais ele pede a continuação da luta contra a ocupação. A imprensa árabe informou recentemente sobre a presença de Douri em um país árabe indeterminado. Lá, ele estaria sendo tratado de uma grave doença.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueIzzat Ibrahim al-DouriBaath

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.