Gali Tibbon/AP
Gali Tibbon/AP

Ex-premiê de Israel é condenado por corrupção

Ehud Olmert era investigado em processo por receber suborno; ele foi absolvido de outras duas acusações

Reuters,

10 de julho de 2012 | 07h41

Texto atualizado às 16h35  JERUSALÉM - O ex-primeiro ministro de Israel Ehud Olmert foi declarado culpado, nesta terça-feira, 10, em uma acusação de corrupção, mas foi absolvido em outros dois processos. Ele foi condenado por quebra de confiança, uma infração menor, em um resultado visto como uma expressiva vitória para o político.

Veja também:

link Ex-premiê de Israel Ehud Olmert é processado por corrupção

Olmert renunciou ao cargo de premiê em 2008 por causa das acusações, interrompendo as negociações de paz que ele mantinha com os palestinos. "Há justiça em Jerusalém", disse Olmert, de 66 anos, após a sentença. Sorrindo muito, ele deixou o tribunal em meio a aplausos, abraços e beijos de admiradores.

Havia ampla expectativa de que Olmert seria condenado por corrupção, após se tornar o primeiro ex-premiê israelense a ser réu num processo criminal. Ele era suspeito de ter recebido 150 mil dólares em subornos de um empresário norte-americano, e de ter fraudado prestações de contas de viagens ao exterior na qual deveria arrecadar dinheiro para entidades beneficentes locais.

A condenação por quebra de confiança diz respeito à época em que ele foi ministro de Indústria e Comércio, em 2006, e teria beneficiado projetos de amigos íntimos. Por esse crime, ele pode ser condenado a três anos de prisão. O tribunal marcou para setembro as audiências que definirão a sentença.

Falando a jornalistas fora do tribunal, Olmert disse que esse caso foi "uma irregularidade regimental, não corrupção".

Quando anunciou sua renúncia, em setembro de 2008, Olmert disse que desejava lutar para limpar seu nome. Ele permaneceu interinamente como premiê até março de 2009, quando o governo do atual primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, tomou posse.

No veredicto, o tribunal de Jerusalém disse que a promotoria não conseguiu provar o caráter ilegal dos pagamentos feitos pelo empresário norte-americano Morris Talansky a Olmert antes de ele se tornar premiê.

Os juízes entenderam também que ele não violou leis ao arranjar reuniões entre Talansky, dono de um negócio de frigobares, com empresários hoteleiros conhecidos de Olmert.

Mais conteúdo sobre:
Ehud OlmertIsraelcorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.