Ex-premiê Ehud Barak é o novo ministro da Defesa israelense

Governo aprova sua nomeação após vitória do trabalhista à frente do partido

Agencia Estado

19 Junho 2007 | 11h05

O governo do primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, aprovou nesta sexta-feira, 15, a nomeação do novo líder trabalhista, Ehud Barak, como ministro da Defesa.Barak, que substituirá no cargo Amir Peretz, iniciará em funções na segunda-feira, após pedir a aprovação do Parlamento, informaram fontes governamentais.A nomeação foi submetida à votação do governo por consulta por telefone, diante da necessidade de uma resposta urgente aos eventos na Faixa de Gaza, onde o movimento islâmico Hamas deslocou do poder o movimento nacionalista Fatah.Barak, de 65 anos, é o militar mais condecorado na história militar de Israel e foi primeiro-ministro e titular da pasta da Defesa entre 1999 e 2001.Na terça-feira, foi eleito como novo líder trabalhista no segundo turno de eleições primárias, nas quais derrotou outro ex-militar, o almirante retirado Ami Ayalon.Em seu discurso de posse, Barak disse que dedicará todos os seus esforços para garantir a segurança de Israel e sua capacidade de persuasão.Na segunda-feira, na próxima sessão do Parlamento, os deputados devem referendar a decisão do Executivo.Governo sólidoA entrada de Barak no Ministério da Defesa representa um impulso à estabilidade do governo de Olmert, desacreditado devido a seus erros no conflito ocorrido no Líbano em meados do ano passado.Israel enfrenta neste momento dois possíveis focos deinstabilidade, o primeiro deles em Gaza e o outro nas Colinas do Golan, ocupadas pela Síria em 1967.A nova realidade política na Faixa de Gaza coloca Israel em uma encruzilhada, na qual ainda não decidiu seus próximos passos.Em relação à Síria, o Corpo de Inteligência do Exército prevê uma possível guerra nos próximos meses se o presidente sírio, Bashar Al-Assad, for encurralado pelo Ocidente em relação ao julgamento pelo assassinato do ex-primeiro-ministro libanês, Rafik Hariri, e pelo de um deputado opositor a Damasco há poucos dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.