Ex-presidente é eleito para a Assembléia dos Especialistas do Irã

Hashemi Rafsanjani é o novo líder do órgão religioso capaz de escolher ou destituir o líder supremo do país

Efe,

04 de setembro de 2007 | 11h56

O ex-presidente iraniano Hashemi Rafsanjani foi eleito nesta terça-feira líder da Assembléia dos Especialistas, um influente órgão religioso com autoridade para escolher ou destituir o líder supremo do Irã, informou a televisão estatal. Rafsanjani sucede na presidência da assembléia o aiatolá Ali Meshkini, falecido em julho. O poderoso ex-presidente, considerado mais moderado do que o atual chefe de governo, Mahmoud Ahmadinejad, derrotou o aiatolá Ahmad Jannati, com 41 dos 86 votos em jogo.  A eleição de Rafsanjani acontece um mês depois da morte do aiatolá Ali Akbar Meshkini, em 30 de julho, aos 85 anos de idade, que presidia a instituição desde dezembro. A Assembléia dos Especialistas é formada por 86 pessoas, chamados de "clérigos virtuosos", que são escolhidos a cada oito anos por voto universal direto. A instituição tem entre suas atribuições a escolha do líder supremo, cargo atualmente ocupado pelo aiatolá Ali Khamenei, além da supervisão das atividades da maior autoridade iraniana. O poder político teocrático permite eleições diretas, porém, assegura grande poder a clérigos. Entre os cargos escolhidos por voto direto estão a Presidência, os membros do gabinete e parlamento e a Assembléia dos Especialistas.  O líder supremo é capaz de nomear o chefe do Judiciário e dos meios de comunicação, o comandante das forças armadas e membros do Conselho de Guardiães, além de confirmar a eleição do presidente. Por sua vez, o Conselho dos Guardiães, formado por 12 pessoas - seis teólogos e seis juristas -, tem poder de veto sobre as leis do Parlamento e do presidente. Eleito Rafsanjani, de 73 anos e presidente do Irã entre 1989 e 1997, era o assessor de Meshkini desde as eleições de dezembro. Em discurso nesta terça, durante a reunião oficial do Conselho de Analistas, o novo chefe do órgão defendeu um papel mais ativo para a instituição nos assuntos internos do país. Também lembrou que a Assembléia "tem autoridade legal e religiosa", em relação a seus poderes de aplicação da "sharia" (lei islâmica) no país. Além disso, Rafsanjani reiterou o apoio da Assembléia de Especialistas ao princípio do "Velayat e Faquih", que institui a tutela suprema do líder máximo sobre todos os assuntos do país. "O 'Velayat e Faquih' é o eixo do sistema da República Islâmica que dá legalidade ao mesmo, portanto, a Assembléia dos Especialistas é um dos mais importantes órgãos do país, já que legitima a continuidade do líder" no posto, afirmou. Na opinião dos comentaristas, a escolha de Rafsanjani para o importante cargo dentro do regime iraniano não deverá causar mudanças drásticas na política externa do regime de Teerã, em conflito com a comunidade internacional devido a suas atividades nucleares. O aiatolá Ali Khamenei alertou na segunda-feira que o Irã "não voltará atrás" em suas atividades atômicas, enquanto minimizava a importância das últimas advertências dos Estados Unidos contra Teerã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.