Exército australiano vai revisar seu papel no Iraque

Informação foi dada pelo primeiro-ministro, John Howard, durante um debate pela televisão

Efe,

22 de outubro de 2007 | 02h16

Os comandantes militares australianos se reunirão com seus "parceiros de coalizão", nesta terça-feira, 23, para revisar o papel das tropas da Austrália no Iraque e apresentar uma proposta sobre o tema em junho de 2008. A revelação foi feita pelo primeiro-ministro, John Howard, durante um debate na noite de domingo, 20. O primeiro-ministro participou do debate pela televisão com seu rival, o trabalhista Kevin Rudd, que se comprometeu a retirar as tropas do Iraque antes de junho de 2008 caso vença as eleições gerais de 24 de novembro. O primeiro-ministro anunciou mudanças nas funções dos 580 soldados de combate australianos desdobrados no sul da província iraquiana de Dhi Qar. Inicialmente, estes soldados "garantiam a segurança dos engenheiros japoneses, depois tiveram um papel de controle geral, e agora (sua função) se dirige ao treinamento (das Forças de Segurança iraquianas)", disse Howard. "Quando a rotação terminar, em meados do próximo ano, acho que a força terá um papel mais relevante no treinamento das forças iraquianas para que cheguem à situação na qual possam cuidar de si mesmas, o que, afinal de contas, é o resultado prático de nosso compromisso", indicou o governante. Apesar das mudanças, Howard se comprometeu no debate a manter até que seja necessário os mais de 1.500 soldados australianos que estão no Iraque desde março de 2003, data da invasão liderada pelos Estados Unidos. Segundo uma pesquisa publicada no começo do mês, 64% dos australianos se opõe à presença de seu país no Iraque, e 73% acreditam que apoiar a estratégia antiterrorista dos EUA transforma a Austrália em alvo de atentados.

Tudo o que sabemos sobre:
AustráliaIraqueexército australiano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.