Reuters
Reuters

Exército egípcio mata 19 supostos membros do Estado Islâmico

Ação ocorreu após atentado que causou a morte de sete cristãos na sexta-feira

O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2018 | 10h32

As forças de segurança do Egito mataram 19 supostos terroristas vinculados com o ataque que causou sete mortes em um ônibus que transportava cristãos coptas na sexta-feira passada, segundo anunciou o Ministério do Interior egípcio neste domingo, 4.

"Após (as forças de segurança) entrarem na região e cercá-la, os elementos terroristas começaram a atirar, e (os agentes) responderam. O que causou a morte de 19 elementos terroristas que ainda não foram identificados", explicou o ministério em comunicado.

A operação aconteceu em uma zona remota no deserto ocidental da província de Minia, no centro do Egito, "um refúgio longe do radar das forças de segurança", segundo o governo. A polícia apreendeu "seis metralhadoras, dois fuzis FN FAL, três rifles, quatro pistolas e munição".

A televisão estatal divulgou várias imagens dos corpos, todos com uma arma de fogo perto dos braços e um papel impresso com o emblema do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) dentro de uma barraca no deserto.

O EI assumiu a autoria do ataque da sexta-feira passada, no qual sete pessoas morreram e 19 ficaram feridas enquanto viajavam de ônibus para um mosteiro em Minia. O local foi o mesmo em que, em maio do ano passado, integrantes do EI mataram 28 pessoas dentro de um ônibus com cristãos que faziam o mesmo percurso.

Desde dezembro de 2016, o grupo jihadista, que tem um braço estabelecido na península do Sinai, reivindicou diversos atentados que já mataram quase cem cristãos. Os coptas são a comunidade cristã mais numerosa do Egito, onde representam cerca de 10% dos 100 milhões de habitantes do país. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Estado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.