Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Exército israelense mata adolescente palestino na Cisjordânia

Soldados de Israel abriram fogo contra habitantes de Iraq Burin que enfrentavam grupo de 15 judeus

20 de março de 2010 | 20h50

Efe

 

RAMALA- Um adolescente palestino morreu e outro ficou gravemente ferido neste sábado, 20, ao serem atingidos por tiros do Exército israelense no povoado de Iraq Burin, próximo à cidade de Nablus, no norte do território ocupado da Cisjordânia, informaram fontes médicas.

 

A vítima foi identificada como Mohamed Ibrahim Qadus, de 16 anos de idade, que morreu a caminho do hospital de Nablus com ferimentos graves.

 

O Exército impediu os funcionários do Crescente Vermelho Palestino de se aproximarem do ferido, disseram fontes, as quais acrescentaram que soldados israelenses abriram fogo contra os habitantes de Iraq Burin, que confrontavam um grupo de 15 colonos judeus que tinham se aproximado do povoado.

 

A vítima estava entre vários jovens palestinos que lançaram pedras contra os militares israelenses, os quais responderam com "material antidistúrbio", indicaram as primeiras avaliações do Exército israelense.

 

Um dos porta-vozes do Exército israelense assegurou que o incidente ainda está sendo investigado, mas que, em princípio, os soldados só usaram balas de borracha, munição que também pode ser letal se atirada a curta distância e contra determinadas partes do corpo.

 

Outro palestino da mesma idade e da mesma família, Abdel Nasser Qadus, se encontra em estado grave e está sendo operado no hospital de Nablus de um ferimento no estômago.

 

Os territórios palestinos ocupados de Jerusalém Oriental e da Cisjordânia são palco de uma nova onda de distúrbios desde que o governo israelense aprovou há um mês a inclusão como "patrimônio nacional israelense" de dois lugares sagrados situados em território palestino.

 

Trata-se do Túmulo dos Patriarcas, em Hebron, e da matriarca Raquel, próximo a Belém, ambos na Cisjordânia e venerados tanto por judeus quanto por muçulmanos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.