Exército israelense mata cinco integrantes do Hamas em Gaza

Entre os mortos estariam um engenheiro de foguetes e um comandante regional de esquadrão de foguetes

Efe,

27 de fevereiro de 2008 | 06h38

Israel matou cinco integrantes do Hamas num ataque aéreo contra o furgão que os transportava no sul de Gaza, anunciou o grupo nesta quarta-feira, 27. Entre os mortos estariam um engenheiro de foguetes e um comandante regional de esquadrão de foguetes.   O ataque é o mais recente incidente na escalada de violência entre o Hamas e Israel, com disparos diários de foguetes contra o Estado judeu e regulares ações militares israelenses contra os militantes. O último espasmo de violência ocorre quando uma nova pesquisa mostrou que dois terços dos israelenses apóiam conversações de cessar-fogo com o Hamas.   Dois outros membros do Hamas ficaram feridos no ataque desta quarta. O Exército israelense confirmou ter atacado o furgão, que segundo ele transportava militantes.   Outro militante palestino, da Jihad Islâmica, foi morto em confronto com tropas de Israel na fronteira com Gaza.   As operações militares e um total bloqueio de Gaza por Israel não têm conseguido parar o disparo de foguetes, e uma pesquisa publicada nesta quarta no jornal Haaretz mostra que 64% dos israelenses concordam que o Estado judeu deveria abrir um diálogo com o Hamas a fim de estabelecer um cessar-fogo e conseguir a libertação do soldado Gilad Schalit, capturado por militantes do grupo islâmico em 2006. Apenas 28% rejeitam conversações com o Hamas.   O governo de Israel tenta isolar o Hamas desde que o grupo assumiu o poder em Gaza em junho de 2007, e diz que conversações só serão possíveis depois que ele reconheça o direito à existência do Estado judeu, renuncie à violência e aceite acordos de paz já assinados. O Hamas é rotulado de organização terrorista por Israel, os EUA e a União Européia.   Líderes do Hamas defendem o estabelecimento de uma trégua com Israel.

Mais conteúdo sobre:
Faixa de GazaIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.