Exército libanês assumirá controle de Trípoli após confrontos sectários

O governo libanês pediu ao Exército que assuma por seis meses o controle da segurança na conflituosa cidade costeira de Trípoli, disse nesta segunda-feira o primeiro-ministro interino Najib Mikati.

Reuters

02 de dezembro de 2013 | 20h24

Dez pessoas foram mortas no fim de semana em confrontos entre a minoria alauíta de Trípoli, que apoia o presidente sírio, Bashar Al-Assad, e a maioria muçulmana sunita, que defende os opositores dele.

A violência na cidade do norte libanês já matou mais de 100 pessoas este ano e paralisou os negócios.

Mikati, um sunita de Trípoli, disse à emissora de TV libanesa LBC que entrou em acordo com o presidente Michel Suleiman e o comandante das Forças Armadas, general Jean Qahwaji, para "colocar Trípoli sob a completa supervisão do Exército" por seis meses.

O conflito em Trípoli, situada a 30 quilômetros da fronteira síria, reflete o fosso sectário no Líbano por causa da guerra civil na Síria. Alguns sunitas do país estão lutando ao lado dos rebeldes anti-Assad enquanto se credita à milícia do grupo xiita libanês Hezbollah a ajuda que levou Assad a retomar a iniciativa militar.

As tensões entre os sunitas e alauítas estão exacerbadas desde a guerra civil do Líbano (1975-1990), quando tropas sírias foram enviadas ao país para ajudar os alauítas na luta contra seus rivais islamistas.

(Reportagem de Oliver Holmes)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBANOEXERCITOCONTROLE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.