Explosão de bomba mata autoridade do Fatah no Líbano

Vice-chefe da organização palestina no país morre em campo de refugiados; grupo fala em assassinato

Agências internacionais,

23 de março de 2009 | 10h37

A explosão de uma bomba matou uma importante autoridade da facção palestina Fatah e outras quatro pessoas no sul do Líbano nesta segunda-feira, 23, afirmaram fontes de segurança. A explosão matou Kamal Medhat e outras três pessoas que estavam em um carro perto do campo de refugiados de Mieh Mieh, nos arredores da cidade libanesa de Sidon. Uma autoridade da Fatah na Cisjordânia disse que Medhat foi assassinado. Medhat era o vice-chefe da Organização pela Libertação da Palestina (OLP) no Líbano, que abriga 12 campos de refugiados palestinos com mais de 200 mil refugiados registrados.

 

Em Mieh Mieh e no campo palestino de Ain al-Hilweh, onde a Fatah e uma série de facções islâmicas disputam a influência, o clima era de tensão após a explosão. O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, afirmou que o assassinato de Medhat foi um ato de terrorismo. "O presidente Abbas condena o crime terrorista que teve como alvo o general Kamal Medhat", disse um comunicado de seu gabinete.

 

Além de Medhat, morreram no atentado Akram Daher, responsável de Esportes da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) no Líbano, e outro dirigente palestino, identificado como Mohammed Shade. O líder do fatah tinha inimigos dentro e fora do Fatah. Em sua maioria, seus oponentes eram membros de grupos extremistas islâmicos, contrários às negociações de paz com Israel comandadas por Abbas.

 

Segundo fontes palestinas, a bomba era composta por aproximadamente 20 quilos de material explosivo e foi detonada quando um comboio com as vítimas passava perto do acesso ao campo de refugiados. O carro ficou totalmente destruído, segundo as imagens mostradas pela rede de televisão libanesa por satélite LBC. Esta emissora citou fontes do Fatah, que disseram que o atentado era destinado contra o líder da OLP no Líbano, Abbas Zaki, que tinha saído do campo minutos antes da explosão, em um carro parecido ao que transportava Medhat. Nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque. 

 

Outra duas pessoas, entre elas um ativista da Fatah, foram mortas no sábado em um tiroteio no campo de Mieh Mieh. O confronto foi atribuído a uma disputa familiar. O Líbano tem 12 campos de refugiados palestinos, que estão fora dos limites das autoridades, por um acordo entre libaneses e palestinos. Acredita-se que alguns fugitivos vivam dentro do campo Ein el-Hilweh, localizado nas proximidades de Sidon.

 

Iêmen

 

Uma corte iemenita condenou e sentenciou à morte um homem, sob a acusação de que ele se ofereceu a Israel para ser um espião. Um funcionário do tribunal afirmou que Bassam el-Haidari, de 26 anos, enviou um e-mail ao primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, oferecendo cooperação. O funcionário, que falou sob condição de anonimato, disse que os israelenses responderam positivamente à oferta. Um funcionário do setor de segurança israelense negou-se a comentar o assunto. Duas outras pessoas foram condenadas a três e cinco anos de prisão por cooperar com el-Haidari.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbanoFatahpalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.