Faisal Kareem / EFE
Faisal Kareem / EFE

Explosão de caminhão-tanque mata ao menos 157 pessoas no Paquistão

Parte das vítimas roubava carga após o veículo com 40 mil litros de combustível ter um pneu furado e tombar em rodovia no centro do país

O Estado de S. Paulo

25 de junho de 2017 | 03h17
Atualizado 26 de junho de 2017 | 06h05

ISLAMABAD  - As autoridades do Paquistão informaram na manhã desta segunda-feira, 26, que subiu de 153 para 157 o número de mortos devido à explosão de um caminhão-tanque nesse domingo, 25, no centro do país. O primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, cancelou uma viagem ao exterior para acompanhar o atendimento às vítimas. 

O veículo transportava 40 mil litros de gasolina da cidade portuária de Karachi para Lahore, a capital da província de Punjab. O veículo pegou fogo após sofrer um acidente na estrada. Dezenas de vítimas morreram carbonizadas ao lado do veículo enquanto tentavam roubar a gasolina que vazava. A chama consumiu mais de 100 veículos que passavam pela estrada.

Os bombeiros lutaram por horas para controlar o incêndio, que começou nas primeiras horas de domingo perto da cidade de Ahmedpur East, 500 quilômetros ao sul de Lahore. Mais de 100 pessoas ficaram feridas. Entre os mortos, havia pelo menos 20 crianças.

O movimento nas estradas era maior do que o usual ontem em razão das reuniões de famílias para o Eid al-Fitr, festividade que encerra o mês sagrado do jejum muçulmano do Ramadã. A área próxima ao fogo estava repleta de utensílios de cozinha, panelas e recipientes que as vítimas carregavam para armazenar a gasolina. Segundo testemunhas, 45 minutos separaram o momento do acidente da explosão.

“Os moradores da cidade vizinha de Ramzanpur Joya correram para o local do acidente com baldes e outros recipientes. Várias pessoas em motos pararam com o objetivo de recolher o combustível”, disse o chefe da polícia regional, Raja Riffat.

Segundo testemunhas do acidente, o caminhão perdeu o controle após um pneu furar depois de uma manobra brusca, o que levou o caminhão a tombar, informou o chefe de polícia.

“Estamos em choque. Ninguém consegue explicar o que aconteceu”, disse Hafiz Sohail, que esperava para recuperar os corpos do tio e do primo de 13 anos, que morreram quando tentavam recuperar um pouco de gasolina. “O que faremos agora com esta gasolina? Para que serviu tudo isso?”

Ainda de acordo com o sobrevivente, o motorista gritou, em vão, para que as pessoas se afastassem do caminhão enquanto o combustível vazava e populares o recolhiam. Entre os mais de 100 feridos hospitalizados, muitas pessoas estavam com queimaduras em mais de 80% do corpo. 

O Paquistão tem histórico de acidentes de trânsito fatais, consequência do péssimo estado de suas estradas, da falta de manutenção dos veículos e da imprudência dos motoristas. O país também enfrenta problemas para conter uma crise energética crônica e sofre cortes contínuos de abastecimento. /AP, AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.