Explosão de carro-bomba mata 6 e fere 22 no Iraque

Em outro ataque, um soldado americano e um intérprete iraquiano foram mortos no oeste de Bagdá

Associated Press,

22 de novembro de 2007 | 03h31

Um suicida explodiu seu carro em um posto policial próximo a corte judicial em Ramadi, matando ao menos seis pessoas e ferindo 22, nesta quarta-feira, 21. É o primeiro ataque depois de uma relativa calma em meses na ex-fortaleza de insurgência sunita. Também nesta quarta-feira, o exército dos Estados Unidos informou que um soldado americano e um intérprete iraquiano foram mortos por uma bomba no oeste de Bagdá. O atentado com carro-bomba aconteceu no meio da manhã, matando três policiais e três civis e ferindo 13, de acordo com o Coronel Jubair Rashid Naief, oficial da polícia da província. Já o exército americano afirma que quatro pessoas morreram, incluindo o homem-bomba, e 22 foram feridas. Os moradores dizem que foi o maior ataque na cidade desde 13 de setembro quando o líder da guerrilha sunita, Abdul-Sattar Abu Risha, e dois de seus guarda-costas foram mortos por uma bomba deixada próxima a sua casa. O soldado americano e o intérprete iraquiano morreram na terça-feira durante uma explosão quando sua patrulha retornava para a base. Três americanos ficaram feridos, segundo o comunicado militar. Mais ataques Outros ataques foram registrados nesta quarta-feira ao redor do país. Atiradores atacaram uma patrulha policial no centro da cidade de Muqdadiyah, cerca de 30 quilômetros ao norte de Bagdá. Quatro atiradores foram mortos. Um motorista suicida atacou a casa de Sheik pró-governo sunita cerca de 140 quilômetros ao norte de Mosul, matando um civil e ferindo três. Em Kut, cerca de 160 quilômetros distante da capital iraquiana, um policial foi morto por um atirador. Em Diwaniyah, uma das principais cidades xiitas distante 130 quilômetros de Bagdá, a polícia iraquiana prendeu 40 pessoas em uma batida contra militantes e gangues.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraquecarro-bombaatentados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.