Explosão em casa de líder do Hamas mata quatro em Gaza

Pelo menos 40 pessoas foram feridas; grupo acusa Israel de bombardeio, embora israelenses neguem ataque

Efe,

12 de junho de 2008 | 10h50

Quatro palestinos morreram e cerca de 40 ficaram feridos nesta quinta-feira, 12, em uma explosão, de causas desconhecidas, na casa de Ibrahim Hamuda, dirigente do braço armado do Hamas, em Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza, informaram fontes médicas.   O movimento islâmico e as testemunhas sustentam versões contraditórias sobre a causa da explosão. Enquanto o Hamas afirma que a explosão foi causada por uma bomba lançada a partir de um F-16 israelense, as testemunhas negam esse ataque, por isso pode ter sido uma manipulação inadequada de explosivos ou um acidente doméstico. O Exército israelense nega qualquer envolvimento e aponta para "um assunto interno".   Com este incidente, sobre para seis o número de vítimas fatais na Faixa de Gaza, depois que dois milicianos palestinos morreram em um ataque contra uma posição militar israelense na fronteira o território palestino. Os dois pertenciam aos braços armados do Fatah e da Frente Democrática da Libertação da Palestina (FDLP), segundo as fontes.   O Exército israelense confirmou um tiroteio na área e que seus homens atiraram contra indivíduos que se aproximaram da cerca de segurança que separa os dois territórios. O ataque ocorreu um dia depois de o governo do primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, decidir dar uma oportunidade à trégua oferecida pelas milícias palestinas e adiar uma operação militar na Faixa de Gaza para tentar conter os ataques com foguetes a partir do território palestino.   O ministro da Defesa israelense, Ehud Barak, disse na quarta que durante 14 dias haverá a tentativa de conseguir um cessar-fogo com a mediação do Egito, e que só depois seu país decidirá se lança ou não a operação militar.

Tudo o que sabemos sobre:
palestinosIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.