SANA/AP
SANA/AP

Explosão em mesquita mata clérigo pró-Assad da Síria, diz TV

'Ataque suicida terrorista' ocorreu no centro de Damasco e Mohammed al-Buti teria morrido

Reuters

21 de março de 2013 | 17h40

BEIRUTE - Uma explosão em uma mesquita na capital da Síria matou nesta quinta-feira, 21, pelo menos 15 pessoas, incluindo um alto clérigo muçulmano pró-governo, disseram ativistas e a TV estatal.

A TV síria afirmou que um "ataque suicida terrorista" atingiu a mesquita Iman, no centro de Damasco, e que Mohammed al-Buti, o imã da mesquita antiga Ummayyad, estava entre os mortos.

Buti, um clérigo nomeado pelo governo desafiado pelo movimento de oposição da Síria, proferiu o sermão tradicional de sexta-feira na televisão estatal. Em um de seus discursos televisionados, Buti descreveu aqueles que lutam para derrubar o presidente Bashar Assad como "escória".

Ele também usou sua posição para instar sírios a se juntar às forças armadas e ajudar Assad a derrotar seus rivais na rebelião popular que já dura dois anos.

O porta-voz rebelde Loay Maqdad disse que unidades associadas ao movimento de oposição Exército Sírio Livre não estavam por trás do ataque. "Nós, do Exército Sírio Livre não assumimos qualquer responsabilidade por esta operação. Nós não fazemos esses tipos de ataques suicidas e não alvejamos mesquitas", disse à TV Al Arabiya.

Um vídeo divulgado pelo canal sírio al-Ikhbariya mostrou dezenas de corpos estirados sobre o tapete ensanguentado da mesquita, enquanto agentes de emergência atendiam sobreviventes. Membros mutilados estavam entre os destroços.

O Observatório Sírio para Direitos Humanos, que tem uma rede de ativistas em toda a Síria, disse que cerca de 15 pessoas morreram na explosão no centro de Damasco.

O Observatório afirmou que não estava claro se a explosão foi causada por um carro-bomba ou um morteiro. Outras dezenas de pessoas foram feridas no ataque, disse.

A mesquita Iman também está perto dos escritórios do governista partido Baath, de Assad, bem como de complexos do governo.

A população entrou em pânico após a explosão, na noite de quinta-feira (horário local), e descreveu ter visto ambulâncias correndo para a área, enquanto o tráfego paralisou. Moradores próximos da mesquita disseram que o cheiro forte de pólvora ainda pairava no ar.

Tudo o que sabemos sobre:
primavera árabeSíriaDamasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.