Explosão mata ao menos 5 em bairro do Hezbollah em Beirute

Segundo autoridades, incidente foi causado por carro-bomba que deixou ainda 66 feridos e um rastro de destruição

OLIVER HOLMES E STE, Reuters

02 de janeiro de 2014 | 16h17

A explosão de um carro-bomba matou ao menos cinco pessoas num reduto do Hezbollah no sul de Beirute nesta quinta-feira, o mais recente de uma série de ataques mortais contra alvos xiitas e sunitas no Líbano.

Vários outros carros ficaram destruídos com a força da explosão, com as ferragens retorcidas espalhadas pela rua em frente a edifícios cujas fachadas também foram afetadas devido ao impacto da explosão.

O ministro da Saúde, Ali Hassan Khalil, disse que cinco pessoas morreram e 66 ficaram feridas. Uma fonte de segurança afirmou que a explosão foi causada por um carro-bomba.

O ataque ocorre menos de uma semana após o ex-ministro das Finanças Mohamad Chatah, um franco opositor ao grupo militante xiita Hezbollah, ser morto junto a outras seis pessoas, vítimas de um carro-bomba em Beirute.

O conflito na vizinha Síria tem polarizado o Líbano e elevado as tensões sectárias.

O Hezbollah tem enviado combatentes à Síria para se unir às forças do presidente Bashar al-Assad, um integrante da minoria alauíta, uma ramificação do islamismo xiita, enquanto guerrilheiros muçulmanos sunitas se dirigiram para a Síria para lutar ao lado dos rebeldes que tentam tomar o poder.

"(O terrorismo) está sendo direcionado contra todas as pessoas. Está sendo conduzido para criar uma cisão entre libaneses", disse Khalil a jornalistas.

A bomba detonou em torno das 16h (horário local), quando as ruas do bairro de Haaret Hreik estavam cheias com o tráfego do horário de pico. Um cinegrafista da Reuters TV disse que membros do Hezbollah atiraram ao ar para dispersar a multidão, temendo explosões subsequentes.

Ninguém assumiu de imediato a responsabilidade pela explosão, que foi condenada por ambos os lados na disputa sectária libanesa. Não ficou esclarecido se o ataque tinha alguma pessoa específica como alvo.

O ministro das Relações Exteriores libanês, Adnan Mansour, apelou por apoio internacional para conter a violência e cortar as fontes de financiamento e outros tipos de apoio aos suicidas.

"Todos devem trabalhar para conter as fontes de terrorismo. Caso contrário, esse turbilhão vai engolir a todos. O Líbano está sofrendo, outros estão sofrendo, todo mundo está sofrendo", disse ele à TV Al Arabiya.

(Reportagem adicional de Reuters TV)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBANOEXPLOSAOBEIRUTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.