AP
AP

Explosão no Líbano deixa 20 mortos e 79 feridos

Um caminhão-tanque carregado com gasolina explodiu em Akkar, no norte do país; ainda não há confirmação oficial do que provocou a explosão

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2021 | 02h13
Atualizado 15 de agosto de 2021 | 04h51

BEIRUTE - Ao menos 20 pessoas morreram e 79 ficaram feridas na explosão de um caminhão-tanque carregado de combustível na região de Akkar, no norte do Líbano. O incidente ocorreu no povoado de Tleil, próximo à fronteira com a Síria, na madrugada deste domingo, 15. Ainda não há informações oficiais sobre a causa da explosão. 

Através das redes sociais, o presidente Michel Aoun afirmou que pediu ao judiciário para investigar as circunstâncias. “Essa tragédia que se abateu sobre nosso querido Akkar fez sangrar os corações de todos os libaneses”, declarou. 

Segundo a Reuters, testemunhas disseram que cerca de 200 pessoas estavam no local no momento da explosão. O exército libanês realizava a distribuição de gasolina que havia sido apreendida anteriormente em um depósito ilegal. 

O incidente ocorre no momento em que o Líbano enfrenta uma grave escassez de combustível, atribuída, entre outras razões, ao contrabando para países vizinhos. 

“Houve uma corrida de pessoas, e as discussões entre algumas delas levaram a tiros que atingiram o tanque de gasolina e ele explodiu”, disse uma testemunha à agência de notícias. Ao canal Al-Jadeed, porém, outro entrevistado declarou que tudo começou quando uma pessoa acendeu um isqueiro. 

Segundo o médico Salah Ishaq, do hospital Al-Salam, a maior parte dos feridos está em estado grave e a rede local enfrenta dificuldades estruturais para atendê-los. Em comunicado oficial, o Ministro da Saúde Hamad Hassan afirmou que o governo vai arcar com os custos dos tratamentos e pediu que todos os hospitais no norte do país e na capital Beirute recebam as vítimas do incidente. 

Imagens publicadas pela Cruz Vermelha no Twitter mostram o resgate das vítimas: 

A explosão foi a mais mortal no país desde agosto de 2020, quando 214 pessoas morreram e milhares ficaram feridas com a explosão de um armazém no porto de Beirute

No Twitter, o ex-primeiro-ministro Saad Hariri pediu que as autoridades libanesas, incluindo o presidente, assumam a responsabilidade do incidente e renunciem. “O massacre de Akkar não é diferente do massacre do porto”, afirmou. /AP e Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
Líbano [Ásia]Oriente Médio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.