Explosões no Paquistão matam ao menos 1 e deixam 50 feridos

Sete ataques a bomba são registrados em uma hora em Karachi; cidade declara estado de emergência

Efe,

07 de julho de 2008 | 15h38

Pelo menos uma pessoa morreu e outras 50, entre elas oito crianças, ficaram feridas em sete explosões de baixa intensidade registradas com intervalos de uma hora em diferentes pontos da cidade paquistanesa de Karachi, ao sul do país, informou uma fonte policial. A fonte, citada pela rede de televisão Geo TV, acrescentou que os feridos, alguns deles em estado crítico, estão sendo transferidos para hospitais da região, na qual foi declarada estado de emergência.   "Os artefatos eram de baixa intensidade, e não causaram grandes danos. As explosões tinham como objetivo criar tensão na cidade", explicou o oficial da Polícia de Karachi Waseem Ahmed. A explosão que causou a morte de uma pessoa ocorreu na colônia de Qasba, na passagem de uma motocicleta, segundo a Geo TV.   Outras duas explosões ocorreram na zona de Banaras, uma em um despejo e a outra em um passeio. Uma quarta explosão foi registrada na passagem de uma caminhonete, próximo a uma mesquita na zona de Shahra-e-Noor, enquanto outra aconteceu na área de Hyderi, em um local próximo a uma escola infantil.   Dezenas de pessoas tomaram as ruas após as explosões, iniciando brigas com paus e pedras. A polícia e os paramilitares se deslocaram aos locais afetados, e as autoridades declararam "alerta máximo" na cidade.   O primeiro-ministro Yousaf Raza Gillani, em viagem oficial à Malásia, condenou os incidentes e pediu à nação que permaneça ao lado do governo para manter a lei e a ordem no país. A cidade portuária de Karachi, a mais povoada do país, com quase 14 milhões de habitantes, é um foco freqüente de violência política e criminosa.   No domingo, o Paquistão foi atingido por um atentado suicida realizado em Islamabad, que causou a morte de pelo menos 19 pessoas, a maioria policiais.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.