Extremistas matam cinco guardas de milícia sunita iraquiana

Vítimas integravam Filhos do Iraque, facção sunita a serviço do governo que se aliou aos EUA contra a Al-Qaeda

Associated Press e Agência Estado,

29 de dezembro de 2009 | 13h56

Atiradores assassinaram cinco guardas sunitas - incluído um por decapitação - em uma chacina que aconteceu na madrugada nesta terça-feira, 29, num posto de controle de um vilarejo no Iraque central, disseram funcionários iraquianos.

 

As cinco vítimas eram integrantes da força de segurança Filhos do Iraque - uma facção sunita, agora a serviço e pagamento do governo, que tem sido o alvo de ataques de extremistas em vingança por ter ajudado a conter a rede terrorista Al-Qaeda e se aliado aos EUA.

 

As autoridades foram alertadas sobre os tiros disparados contra o posto de controle no vilarejo de Tal Massoud logo após às 2h, disse um policial que falou sob anonimato. O vilarejo fica 50 quilômetros ao norte de Bagdá. O policial descreveu a cena dos corpos crivados de balas dentro do posto. Um dos corpos, segundo ele, foi decapitado.

 

"As famílias das vítimas foram chamadas e pedimos que levassem os corpos para sepultamento, o que foi feito", disse o líder dos Filhos do Iraque no vilarejo, Awad Sami Al-Halbosi.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraquesunitaatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.