Falta de combustível fecha principal usina elétrica de Gaza

A falta de combustível forçou a principalusina geradora de energia da Faixa de Gaza a ser desligadaneste sábado, deixando grande parte do território controladopelo Hamas sem energia elétrica, disse uma autoridade dausina. "Nós estamos desligando pois estamos sem combustível... nósnão podemos atender a demanda por eletricidade", afirmou aautoridade que preferiu não ser identificada. Uma autoridade israelense afirmou que o abastecimento decombustível voltará ao normal no domingo, acrescentando que oabastecimento ficou comprometido nos últimos dias devido àscelebrações do dia da independência de Israel e por contínuosataques de morteiros de militantes nos pontos de fornecimento. Gaza tem enfrentado falta de combustível nos últimos mesesdevido à restrição de abastecimento imposta por Israel. Ocombustível para a usina elétrica que provê eletricidade para800 mil das 1,5 milhão de pessoas é financiado pela UniãoEuropéia. "Nós vamos voltar a abastecer amanhã, nós fazemos issoquase todo dia, mas houve uma parada devido ao feriado e porcausa dos morteiros lançados nesta área", afirmou umaautoridade israelense. Ele acrescentou que militantes atacam com morteiros osdepósitos de Nahal Oz na fronteira com Israel "quase quediariamente". Um porta-voz do escritório do primeiro-ministro israelense,Ehud Olmert, afirmou que o Hamas cortou a força da usina deforma deliberada para aumentar o sentimento anti-Israel naFaixa de Gaza. "Não há razão lógica para o desligamento da usina, este émais um exemplo do Hamas orquestrando uma crise artificial parasuas próprias metas políticas, mostrando seu total desprezopelo bem-estar do povo palestino", disse o porta-voz DaviBaker. Israel cortou de forma mais acentuada o abastecimento decombustível depois de um ataque de militantes palestinos nodepósito de Nahal Oz no último mês que matou dois civisisraelenses. Na sexta-feira, um morteiro disparado da Faixa de Gazamatou um civil israelense. Mais tarde, um ataque aéreoisraelense matou cinco homens de segurança do Hamas emterritório controlado pelo grupo palestino. (Reportagem de Nidal al-Mughrabi e Ori Lewis)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.