Fatah elege 'nova geração' e afasta 'velha guarda' de Arafat

Em seu primeiro congresso em duas décadas, partido laico palestino renova representantes a pedido de Abbas

Agência Estado, Associated Press e Reuters,

11 de agosto de 2009 | 13h49

Os resultados iniciais das eleições dos representantes do Fatah divulgados nesta terça-feira, 11, mostraram que o partido renovou suas lideranças, deixando de lado muitos representantes da "velha guarda" que dominavam o grupo no fim da era de Yasser Arafat há mais de 20 anos, quando o último congresso foi realizado.

 

"Esse é um resultado inesperado. É uma grande mudança, uma enorme mudança", disse Naser al-Kidwa, sobrinho de Arafat, que ganhou um assento no Comitê Central.

 

Os resultados iniciais mostram que líderes pragmáticos que nunca antes deixaram os territórios palestinos - e que passaram anos em prisões israelenses e falam hebraico - tiveram desempenho melhor do que linhas-duras exilados no Líbano e na Síria.

 

"Esta eleição está criando um novo futuro para o movimento, uma nova era de democracia", declarou Mohammed Dahlan, de 47 anos, um ex-chefe de segurança de Gaza que figura entre os vencedores, segundo os resultados preliminares.

 

A plataforma do Fatah parece em linha com a proposta de paz de Obama. Os 2.300 delegados do partido endossaram o conceito de um Estado palestino independente estabelecido ao lado de Israel e obtido por meio de negociações de paz, embora exijam algumas condições para o tratado, como a paralisação da construção de novos assentamentos.

 

Apoio popular

 

O próprio líder da Fatah, Mahmoud Abbas, apesar de já ter 74 anos, pediu que o partido se renovasse para recuperar o apoio popular. Anos de corrupção, má administração e ocupação de Israel abriram caminho para a vitória do Hamas na eleição parlamentar de 2006 e a humilhação das forças do Fatah, que perdeu o controle de Gaza no ano seguinte.

 

Abbas alertou que os resultados não são definitivos, e havia indicações de que uma recontagem seria pedida em pelo menos uma disputa apertada. Abbas, que tem tido dificuldades para assumir o papel de patriarca de Arafat, sai fortalecido com esse resultado, concordam analistas.

 

Entre as velhas figuras que dominaram o grupo durante as décadas de exílio antes do acordo de Oslo em 1993 está Ahmed Qurie, ex-negociador, ex-primeiro-ministro e um dos primeiros aliados de Arafat, nos anos 1960. Ele não conseguiu manter o cargo, mostraram os resultados.

 

Segundo os resultados parciais, 14 das 18 cadeiras eletivas do Comitê Central do Fatah foram para novos membros. A velha guarda conseguiu eleger quatro representantes. As quatro vagas restantes do comitê, escolhidas por indicação, serão preenchidas pelo presidente Mahmud Abbas e devem ir para representantes da velha guarda. Abbas foi mantido como presidente do partido. O resultado final deve ser conhecido ainda nesta terça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.