Fechamento de usina de energia elétrica deixa Gaza sem luz

Amplas áreas da Faixa de Gaza mergulharamna escuridão neste domingo quando a principal usina local deenergia elétrica foi paralisada, depois que Israel fechou asfronteiras do território, controlado pelo Hamas, e bloqueou ofornecimento de combustível para a região. "Pelo menos 800 mil pessoas estão agora no escuro", disseDerar Abu Sissi, diretor-geral da usina. "A catástrofe afetaráhospitais, clínicas médicas, reservatórios de água, casas,fábricas, enfim, todos os aspectos da vida." A estação de geração de eletricidade fechou sua segunda eúltima turbina depois do início da noite. Moradores formaramfilas nas padarias para estocarem alimentos. Um porta-voz do Ministério do Exterior de Israel pôs emdúvida a necessidade do completo fechamento da usina deeletricidade, dando a entender que o grupo islâmico Hamas teminteresse político em exagerar o impacto das medidasisraelenses. Altos funcionários da União Européia, que financia ocombustível usado na usina, confirmaram que o suprimentoenviado neste domingo foi bloqueado e as reservas se esgotaram. Um ataque israelense matou pelo menos um palestino e feriugravemente um outro no norte da Faixa de Gaza neste domingo,elevando para 36 o número de moradores do território mortospelo Estado judaico na semana passada. As lojas no empobrecido território começaram a ficar semmercadorias como resultado do aumento da demanda e falta deabastecimento. Os postos de combustível estão fechando, porcausa dos cortes israelenses na entrega de diesel e gasolina.Dezenas de palestinos saíram às ruas segurando velas, em sinalde protesto. "Isto é como Israel quer Gaza: um mar de escuridão. O mundocivilizado está observando em completo silêncio", disse AbuMohammad Osama, proprietário de uma loja em Gaza. De acordo com funcionários dos governos palestinos eisraelenses, a população de Gaza consome normalmente 200megawatts de eletricidade, dos quais 65 são produzidos pelausina local. O resto vem de Israel, que mantém o fornecimento,e do Egito (Reportagem adicional de Adam Entous; Redação de AdamEntous e Jeffrey Heller)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.