Festa do Hamas em Gaza prova que Israel sofre riscos, diz Netanyahu

'Novamente fomos expostos à verdadeira face de nossos inimigos; querem destruir o nosso país'

Dan Williams, Reuters

09 de dezembro de 2012 | 11h18

A promessa do Hamas de derrotar Israel após reivindicar "vitória" no conflito em Gaza, no ultimo mês, justifica a relutância de Israel em renunciar a mais terras em favor dos palestinos, disse neste domingo o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Khaled Meshaal, líder do movimento Hamas, fez neste sábado um desafiador discurso perante milhares de partidários na Faixa de Gaza, prometendo tomar "centímetro por centímetro" tudo do Estado de Israel, que ele diz que nunca reconhecerá.

"No ultimo dia, novamente fomos expostos à verdadeira face de nossos inimigos. Eles não têm a intenção de se comprometer conosco. Eles querem destruir o nosso país", afirmou Netanyahu em encontro de seu gabinete.

O líder israelense recebeu grandes críticas internacionais nesta semana, por anunciar uma nova onda de construções de assentamentos judaicos na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém Oriental, depois de um reconhecimento de fato do Estado palestino pela Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas).

Mas Netanyahu afirmou que Israel nunca se retirará unilateralmente da Cisjordânia, como fez de Gaza em 2005, argumentando que isso poderia criar outro território do qual os palestinos possam lançar foguetes contra as cidades israelenses.

"Estou sempre consternado com as desilusões dos outros que estão preparados para seguir nesse processo e chamá-lo de paz", afirmou.

"Queremos uma paz verdadeira com nossos vizinhos, mas não fecharemos nossos olhos, nem enterraremos nossas cabeças na areia", disse, acrescentando que isso exige que Israel "resista às pressões internacionais". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.