Fim da guerra de Gaza não leva a novas conversas de paz

Uma semana depois de as armas silenciarem em Gaza, Israel e os palestinos aparentam ter pouco apetite ou incentivo para retomar as conversas sobre paz e concessões territoriais patrocinadas pelos Estados Unidos, que fracassaram cinco meses atrás.

JEFFREY HELLER, REUTERS

02 de setembro de 2014 | 13h26

Com os conflitos em andamento na Ucrânia, no Iraque e na Síria –e o futuro da Faixa de Gaza deixado em aberto pelo acordo de cessar-fogo de contornos difusos mediado pelo Egito– as potências mundiais tampouco estão empenhadas na solução do impasse entre israelenses e palestinos.

As próprias partes envolvidas, a conflituosa coalizão de governo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o presidente palestino, Mahmoud Abbas, estão em rota de colisão por conta da ameaça de medidas unilaterais dos palestinos em busca de um Estado e da exploração de um processo de crimes de guerra contra Israel na ausência de conversas diretas.

Israel atraiu críticas palestinas e internacionais no domingo ao anunciar uma grande apropriação de terras na Cisjordânia, já ocupada, a maior do gênero em 30 anos.

Fontes do governo israelense disseram que, com a situação em Gaza ainda indefinida, não há nada previsto para o futuro imediato no que diz respeito a um acordo de paz com Abbas.

Nos termos da trégua acordada pelos egípcios, Israel e os palestinos concordaram em abordar temas complexos, como a exigência do Hamas de um porto marítimo em Gaza e a libertação de prisioneiros palestinos por meio de tratativas indiretas, começando daqui a um mês.

Como o início das negociações ainda está no ar, Netanyahu quer ver se Abbas assume a responsabilidade da administração das fronteiras de Gaza no lugar do Hamas e se haverá a adoção de medidas para impedir o grupo militante de contrabandear armas para o território palestino.

"Abu Mazen (Abbas) tem que decidir de que lado está", afirmou Netanyahu em uma coletiva de imprensa.

O comentário se referiu à decisão israelense de abril de interromper as conversas de paz com o líder na esteira da criação de um governo de união com o Hamas, que expulsou a Fatah, facção de Abbas, de Gaza em 2007.

Alguns membros do gabinete de Netanyahu também o pressionam para agir com mais rapidez.

“Não permitiremos uma situação na qual este cessar-fogo seja o começo da contagem regressiva para a próxima rodada de disparos”, afirmou o ministro das Finanças, Yair Lapid said.

A ministra da Justiça, Tzipi Livni, principal negociadora de Israel nas conversas com os palestinos, afirmou: “(Netanyahu) precisa ser posto à prova nisso”.

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF

Mais conteúdo sobre:
ORMEDGAZASEMGUERRASEMPAZ*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.