Fim da violência do Iraque não significa estabilização, diz Rice

Para Secretária de Estado, estabilização é 'um processo lento' que não termina com a retirada de tropas

Associated Press,

12 de setembro de 2007 | 11h29

A estabilização do Iraque é um processo lento que não terminará quando a violência no país for reduzida, afirmou a Secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, nesta quarta-feira, 12.   Veja também: Iraque espera grande redução de tropa estrangeira antes de 2009 Atiradores vestidos de policiais roubam carro-forte em Bagdá   "Estamos no início de uma transição no Oriente Médio", afirmou Rice. "Estamos no começo de um longo processo iniciado com a ameaça generalizada contra a segurança causada pelo extremismo, vindo principalmente do Oriente Médio."   No dia anterior ao presidente George W. Bush anunciar os planos de retirada de 30 mil soldados até a metade de 2008, Rice insistiu que a estabilização do Oriente Médio deixará "os Estados Unidos mais seguros".   Rice afirmou que a tarefa americana para estabilizar o Iraque não se resume apenas em prover segurança dentro das fronteiras do país, mas "começar a ter pequenos núcleos de soldados com outras responsabilidades" incluindo a "segurança territorial do Iraque" e o respeito a seus vizinhos, especialmente o Irã.   "O Irã é um vizinho muito problemático", disse ela ao programa televisivo "Today", da NBC. "O Irã está preparado para preencher o vazio" se os Estados Unidos saírem do Iraque.   "É isso o que está em jogo", frisou. "O que estamos preparados para fazer é completar os ganhos de segurança que estamos conseguindo, criar circunstâncias nas quais um governo iraquiano e autoridades locais possam encontrar uma acomodação política, como estão fazendo na província de Anbas, e serem capazes então, o Iraque, com aliados na guerra contra o terrorismo, a resistir tanto ao terrorismo quanto à agressão iraniana".

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueRice

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.