Essam Al-Sudani/Reuters
Essam Al-Sudani/Reuters

Foguete atinge área de exploração de petróleo no Iraque, diz oficial iraquiano

Instalação da empresa Exxon Mobil na província de Basra foi atingida; três funcionários ficaram feridos

AP, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2019 | 06h47

BAGDÁ - Um foguete atingiu uma área de exploração de petróleo na província de Basra, no sul do Iraque, na manhã desta quarta-feira, 19. O projétil caiu dentro de uma instalação da Exxon Mobil e feriu três funcionários, sendo um seriamente, informaram oficiais iraquianos.

O Iraque teme se ver preso em meio às tensões entre Irã e Estados Unidos, dois de seus maiores aliados. Washington mantém mais de cinco mil soldados em território iraquiano. Por outro lado, mílicas iraquianas apoiadas pelo Irã querem que as forças norte-americanas deixem o país.

A Exxon Mobil, empresa petroquímica sediada no Texas, não comentou o caso. Em maio, a companhia já havia evacuado todo o seu pessoal estrangeiro do campo de exploração West Qurna 1, em Basra.

O foguete lançado nesta quarta foi apenas o último numa série de ataques a uma região de interesse dos Estados Unidos. Nas últimas semanas, foguetes atingiram duas bases militares iraquianas onde soldados norte-americanos tinham base. Nenhum grupo assumiu a autoria do ataque desta quarta, e as exportações iraquianas não foram afetadas.

Mais tarde nesta quarta, outro foquete atingiu um quartel militar na cidade de Mosul, no norte do Iraque. Não houve vítimas.

Governo iraquiano proibiu tropas estrangeiras e milícias de se confrontarem

Nessa terça-feira, 18, o primeiro-ministro iraquiano, Adel Abdul-Mahdi, disse que tropas estrangeiras e milicias em operação no país estavam proibidas de sen confrontaram em solo iraquiano. A medida foi vista como uma clara tentativa de impedir o aumento da tensão entre os grupos armados e as tropas norte-americanas.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraque [Ásia]petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.