Foguetes da Otan matam 12 civis afegãos

Foguetes da Otan mataram 12 afegãos neste domingo, o segundo dia da ofensiva para impor a autoridade do governo do Afeganistão num dos últimos grandes redutos do Taliban no país.

GOLNAR MOTEVALLI, REUTERS

14 de fevereiro de 2010 | 18h11

O ataque, um dos maiores da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) contra o Taliban desde o início da guerra no Afeganistão em 2001, é o primeiro teste para o plano do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de enviar mais 30 mil homens para tomar áreas de insurgentes antes da retirada das tropas do país. A retirada está prevista para 2011.

Um dia depois de helicópteros deixarem tropas na região da cidade de Marjah, dando início à ação, fuzileiros norte-americanos foram alvos de intenso ataque a tiros, quando procuravam encontrar e terminar com grupos de extremistas.

Neste domingo, o principal oficial militar norte-americano declarou que a ação no reduto Taliban de Marjah, na província de Helmand, tem um "bom começo."

"É muito difícil prever (o final)," afirmou o almirante Mike Mullen, presidente do Joint Chiefs of Staff (grupo de lideranças militares que aconselham o presidente). "De uma perspectiva de planejamento, falamos de algumas semanas, mas eu não sei," disse ele, em visita a Israel.

Há semanas sinaliza-se uma ofensiva desse tipo, para convencer os combatentes do Talibã a deixar a área, para que ela pudesse ser recapturada com poucos danos e mortes, na expectativa de que as cem mil pessoas que lá vivem comemorassem a chegada do governo afegão.

"Isso não está focado no Taliban, e isso é uma estratégia não só para limpar a área, mas para segurá-la, para que haja um governança local," declarou Mullen.

Apesar dos esforços, dois foguetes da Otan erraram o alvo e atingiram uma casa, matando 12 pessoas. O presidente afegão, Hamid Karzai, lamentou o fato e afirmou que as vítimas eram da mesma família.

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDAFEGANISTAOOTAN*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.