Forças de Assad matam mais 21 pessoas na Síria, dizem ativistas

As forças do governo sírio mataram mais 21 pessoas nesta sexta-feira em vários lugares da Síria, segundo ativistas, sendo pelo menos nove pessoas mortas por bombardeios de tanques contra bairros oposicionistas na cidade de Homs.

OLIVER HOLMES, REUTERS

09 de março de 2012 | 10h07

A retomada dos bombardeios pesados ocorre após alguns dias de relativa calma, período em que a chefe da área humanitária da Organização das Nações Unidas (ONU), Valerie Amos, esteve em Homs e relatou que parte da cidade foi totalmente destruída por quase um mês de cerco militar, que culminou com a fuga de rebeldes que controlavam o bairro de Baba Amr.

"Trinta tanques entraram no meu bairro às 7h da manhã e estão usando seus canhões para disparar contra casas", disse Karam Abu Rabea, morador do bairro de Karm al-Zeitoun, em Homs.

Em outras partes do país, manifestantes contrários ao presidente sírio, Bashar al-Assad, saíram às ruas para protestar após as preces islâmicas da sexta-feira.

O enviado especial da ONU e da Liga Árabe para a Síria, Kofi Annan, deve chegar no sábado a Damasco para tentar acalmar a situação. Os protestos contra Assad começaram há um ano, e ameaçam descambar para uma guerra civil.

(Reportagem adicional de Khaled Yacoub Oweis, em Amã)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAHOMSMATA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.