Forças de Gaddafi abandonam partes de Trípoli

Os bairros pobres de Trípoli, a capital da Líbia, desafiaram abertamente Muammar Gaddafi no sábado, quando sua permanência no poder após 41 anos de governo parecia cada vez mais tênue, em face à revolta em todo o país.

MARIA GOLOVNINA E AHMED JADALLAH, REUTERS

26 de fevereiro de 2011 | 12h47

As forças de segurança haviam abandonado o distrito da classe trabalhadora Tajoura após cinco dias de manifestações contra o governo, disseram os moradores a correspondentes estrangeiros que visitaram a área.

Os moradores afirmam que as tropas abriram fogo contra manifestantes que tentavam marchar de Tajoura até a central Praça Verde durante a noite, matando ao menos cinco pessoas. O número não foi confirmado. Um funeral na manhã de sábado para uma das vítimas se transformou em outra demonstração contra Gaddafi.

"Todos no Tajoura saíram contra o governo. Nos o vimos matando nosso povo aqui e em toda a Líbia", disse um homem que se identificou como Ali, de 25 anos, à Reuters. "Nós vamos demonstrar mais uma vez, hoje, amanhã, depois de amanhã, até que eles saiam."

Os eventos em Tajoura contradizem as declarações de Saif al-Islam Gaddafi, filho de Gaddafi, que disse aos repórteres na sexta-feira à noite que a paz estava retornando à Líbia.

Grande parte do leste do país produtor de petróleo, incluindo a cidade de Benghazi, está nas mãos de forças de oposição.

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, o mais forte aliado europeu de Gaddafi, disse em Roma no sábado que Gaddafi já não controlava a Líbia.

Países ocidentais se reuniram para discutir ações punitivas contra Gaddafi e expressar sua indignação com a repressão da revolta, a mais violenta contra a onda de revoltas pró-democracia no mundo árabe, que já derrubaram os líderes da Tunísia e do Egito.

Em Washington, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assinou uma ordem que proíbe as transações com a Líbia.

"Por qualquer medida, o governo de Muammar Gaddafi violou as normas internacionais e de decência e deve ser responsabilizado por isso", disse Obama em um comunicado nesta sexta-feira.

Diplomatas na ONU disseram que a votação de um esboço da resolução pedindo um embargo de armas à Líbia, bem como proibição de viagens e o congelamento de bens de seus líderes deve ocorrer no sábado, depois que o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que não se podia esperar.

Diplomatas dizem que cerca de 2 mil ou mais pessoas foram mortas em todo o país. "Há corpos por toda parte. É uma guerra, no verdadeiro sentido da palavra", disse Akila Jmaa, que chegou à Tunísia na sexta-feira depois de deixar o país.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAABANDONA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.