Forças de Kadafi atacam cidades rebeldes de Misrata e Zintan

Ao menos 40 pessoas morreram em Misrata, incluindo 4 crianças que viajavam em um carro

REUTERS

22 de março de 2011 | 09h06

Restos do caça americano F-16E que caiu nesta terça na Líbia. Foto: Suhaib Salem/Reuters

 

 

TRÍPOLI - Forças leais a Muamar Kadafi atacaram duas cidades líbias nesta terça-feira, 22, após a terceira noite de ataques aéreos em Trípoli, mas a campanha ocidental enfrenta questionamentos sobre o futuro de sua estrutura de comando.

 

 Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna
especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

Nos mais recentes combates de terça, forças de Kadafi usaram bombardeios e tanques para disparar contra o reduto rebelde de Misrata, no oeste líbio. Pelo menos 40 pessoas morrarem, sendo 4 delas crianças que viajavam em um carro atingido pela artilhraia, disseram moradores da regiam.

 

"A situação aqui é muito ruim. Os tanques começaram a disparar contra a cidade nesta manhã", disse um morador chamado Mohammed à Reuters por telefone do lado de fora do hospital da cidade.

"Atiradores de elite estão participando da operação também. Um carro civil foi destruído, matando quatro crianças dentro, a mais velha tinha 13 anos."

A rede de televisão Al-Jazira disse que forças de Kadafi tentavam tomar a cidade rebelde de Zintan, perto da fronteira tunisiana no oeste, em um ataque com armas pesadas. Os moradores já haviam fugido do centro da cidade em busca de refúgio nas cavernas das montanhas.

Enquanto os rebeldes contrários a Kadafi têm dificuldades em criar uma cadeia de comando que capitalize os ataques aéreos contra tanques e defesas aéreas da Líbia, as nações ocidentais ainda têm que decidir quem controlará as operações depois que Washington se retirar.

Os Estados Unidos cederão o controle da ofensiva aérea em questão de dias, disse o presidente Barack Obama, no momento em que as divisões na Europa alimentam a especulação de que Washington será forçado a manter a liderança das patrulhas aéreas em substituição ao bombardeio inicial.

"Prevemos que essa transição ocorra em questão de dias e não semanas", disse Obama, que tem sido questionado sobre os militares dos EUA estarem se atolando em um terceiro país muçulmano, em uma coletiva de imprensa durante visita ao Chile.

Um caça F-15E da Força Aérea norte-americana caiu na Líbia entre a noite de segunda e a manhã de terça-feira, os dois tripulantes foram recuperados, de acordo com os militares dos Estados Unidos. A queda provavelmente foi causada por falha mecânica e não fogo hostil, disseram.

Temor de impasse

A televisão estatal líbia disse que várias localidades de Trípoli sofreram ataques aéreos na segunda-feira. Não havia confirmação de novas ofensivas ocidentais pelo ar na campanha para aplicar uma zona de exclusão aérea e proteger civis.

Os rebeldes, que foram forçados a recuar a seu reduto em Benghazi antes dos ataques aéreos deterem um avanço das forças de Kadafi, nada fizeram para retomar seu plano de avanço sobre Trípoli - despertando temores de que a guerra pode chegar a um impasse.

Mas Washington, temeroso de se envolver em mais uma guerra após as longas campanhas no Iraque e no Afeganistão, descartou uma ação específica para derrubar Kadafi , há 41 anos no poder, embora a França tenha dito na segunda que espera que o governo líbio caia de dentro para fora,

Obama não especificou que nação ou organismo assumiria a campanha, mas Grã-Bretanha e França tomaram a dianteira nos assaltos aéreos à Líbia, que já destruíram boa parte de suas defesas aéreas.

O primeiro-ministro britânico David Cameron disse que a intenção é transferir o comando à Otan, mas a França declarou que os países árabes não querem a aliança encabeçada pelos EUA a cargo da operação no país produtor de petróleo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.