Forças iraquianas precisam de mais armas, diz militar dos EUA

O governo do Iraque precisamelhorar o apoio logístico a seus soldados se deseja que osnorte-americanos saiam do país algum dia, afirmou um comandantedas forças militares dos EUA na quinta-feira. Mas oficiais da polícia e do Exército iraquianos disseramque suas forças careciam, com maior urgência, de armas maispesadas. Comandantes das Forças Armadas norte-americanas descreveramo norte do Iraque como um caso de sucesso e afirmaram preverdar início a uma retirada parcial daquela região dentro embreve, repassando-a ao controle das forças iraquianas. Mas o coronel Stephen Twitty, comandante das forçasnorte-americanas na Província de Nineveh (norte), disse haverainda obstáculos a serem superados. "Para que as forças de segurança sejam capazes de assumir ocontrole da área no longo prazo, o Ministério de Defesa e oMinistério do Interior precisam melhorar seu aparato, emespecial nos setores de logística e de engenharia", afirmou. Nineveh possui duas divisões do Exército iraquiano, com 10mil soldados cada uma, e uma força policial composta por 19 milmembros. Mas a eficiência desse contingente vem sendoprejudicada pela falta de peças de reposição para veículos, detecnologia para detectar bombas e de apoio médico, afirmouTwitty. O major-general Benjamin Nixon, comandante das forçasnorte-americanas no norte do Iraque, afirmou que a redução nonúmero de soldados dos EUA estacionados ali pode começar emjaneiro. No mês passado, o embaixador do Iraque em Washingtonreclamou de que os norte-americanos estavam demorando demaispara enviar parte dos equipamentos militares prometidos. O Pentágono reconheceu que alguns dos carregamentosatrasaram-se. Armas inadequadas e uma quantidade insuficiente de muniçãovinham prejudicando a atuação das forças iraquianas, afirmou omajor-general Wathiq Mohammed Abdul Qadr al-Hamdani, comandanteda polícia em Nineveh. "Precisamos enfrentar os insurgentes com armas maiores",disse Hamdani à Reuters, referindo-se especificamente àsmetralhadoras calibre .50 comuns entre as forçasnorte-americanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.