STR/Reuters
STR/Reuters

Forças leais ao líder líbio Muamar Kadafi enfrentam militares da Tunísia

Tropas do governo líbio buscavam rebeldes que fugiram para Tunísia

Reuters,

29 Abril 2011 | 09h54

DEHIBA - Forças fiéis ao líder líbio Muamar Kadafi entraram na vizinha Tunísia e travaram um combate armado com tropas tunisianas em uma cidade fronteiriça nesta sexta-feira, 29, à medida que o conflito na Líbia se espalha para além de seus limites.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

As forças favoráveis a Kadafi dispararam projéteis contra a cidade de Dehiba, danificando edifícios e ferindo pelo menos um morador, e um grupo deles entrou na cidade em um caminhão, disseram residentes e um fotógrafo da Reuters no local.

As tropas do governo líbio buscavam rebeldes da região das montanhas do oeste, que fugiram para a Tunísia nos últimos dias depois que as forças de Kadafi retomaram os postos de controle anteriormente tomados pelos rebeldes.

"Houve muitos confrontos na cidade esta manhã. Muitos disparos. Os militares tunisianos se chocaram com as forças de Kadafi... alguns apoiadores de Kadafi foram mortos", disse Zoubeir Souissi, fotógrafo da Reuters em Dehiba.

"Há muita gente de Kadafi ferida. Estão no hospital de Dehiba", disse ele.

Dois moradores também declararam à Reuters que projéteis caíram sobre a cidade vindos de posições pró-Kadafi na fronteira da Líbia.

"Cartuchos dos bombardeios estão caindo sobre as casas... uma tunisiana foi morta", disse um dos moradores, chamado Ali, à Reuters por telefone.

Mais tarde ele afirmou que os combates e disparos haviam parado. "O exército tunisiano está passando um pente fino na cidade. Não temos ideia do que aconteceu com as forças de Kadafi lá porque o exército tunisiano fechou os portões de acesso à cidade e ninguém pode entrar."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.