Forças líbias raptaram milhares de pessoas em Zawiyah--rebelde

Forças do governo líbio sequestraram e espancaram moradores de Zawiyah desde que recapturaram a cidade próxima da capital, Trípoli, há duas semanas, disse um porta-voz dos rebeldes.

REUTERS

25 de março de 2011 | 12h41

"Os batalhões (do líder líbio Muammar Gaddafi) montaram barreiras em cada esquina e rua da cidade," disse por telefone o porta-voz Ibrahim, em Zawiyah.

"Eles sequestram homens jovens ou velhos, qualquer pessoa que tenha menos de 50 ou 60 anos, quer seja um engenheiro ou um simples operário da construção, e as pessoas são levadas para um lugar desconhecido," disse o porta-voz, pedindo para ser identificado apenas pelo primeiro nome.

"Milhares de pessoas desapareceram assim desde que os batalhões tomaram a cidade," disse ele à Reuters na sexta-feira.

Não foi possível confirmar independentemente o relato, já que o governo líbio restringe os movimentos nos territórios que controla.

Mohsen, de 35 anos, que na quarta-feira fugiu de Zawiyah, cidade a 50 quilômetros a oeste de Trípoli, também falou em sequestros e espancamentos.

"As lojas estão fechadas, e a situação humanitária está muito ruim. Os moradores têm medo de sair de casa. Há sequestros e espancamentos a toda hora," disse Mohsen.

"Não posso dar um número exato de quantas pessoas foram sequestradas, torturadas ou mortas. Mas eles lançam esses ataques principalmente contra civis suspeitos de esconder armas ou apoiar os rebeldes."

Jornalistas estrangeiros levados ao centro de Zawiyah por forças do governo em 11 de março viram construções queimadas e crivadas de balas, paredes repintadas recentemente às pressas e partidários de Gaddafi gritando "amo Gaddafi."

Ibrahim disse que os rebeldes em Zawiyah continuam a combater as forças do governo, especialmente à noite.

"Os rebeldes se organizaram em grupos de guerrilha para combater os batalhões," disse ele. "A maior parte da ação acontece à noite. Ontem à noite, por exemplo, houve uma troca de tiros intensa depois de rebeldes atacarem uma barreira. Muitos foram mortos."

"O clima na cidade é bizarro. Há destruição por toda parte, e virtualmente todas as lojas estão fechadas."

Mohsen fez uma descrição semelhante. "Virou uma cidade fantasma. Os homens de Gaddafi continuam firmes no controle, mas enfrentam resistência de rebeldes em algumas ruas."

(Reportagem de Souhail Karam, em Rabat, e Joseph Nasr, em Berlim)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAZAWIYAHSEQUESTROS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.