Forças sírias fazem disparos de advertência em cidade do sul

Forças sírias dispararam para o ar nesta segunda-feira para dispersar uma manifestação pró-democracia em Deraa, uma cidade sulista que é palco de protestos de reformistas que querem derrubar os 41 anos de regime da família Assad.

REUTERS

28 de março de 2011 | 18h41

Mais de 60 pessoas foram mortas na repressão na cidade, situada na fronteira jordaniana. Os protestos são o mais sério desafio ao poder do presidente Bashar al-Assad. Moradores disseram que franco-atiradores das forças de segurança estavam posicionados no topo das edificações.

Assad ainda não falou publicamente sobre os protestos, que se espalharam para o porto de Latakia, no norte, Hama, no centro, e outras localidades. Autoridades dizem que ele fará um discurso nos próximos dois dias, em meio a especulações de que poderá suspender o estado de emergência.

Multidões acorreram para a praça principal de Deraa nesta segunda-feira, gritando: "Queremos dignidade e liberdade" e "Não às leis de emergência."

Forças de segurança dispararam continuamente para o ar por vários minutos, na direção dos manifestantes, mas eles retornaram ao local assim que os tiros cessaram, disseram moradores. Não ficou claro de imediato se houve vítimas.

A repressão do governo de Assad, que as autoridades dizem ter como alvo grupos armados, vem provocando condenação internacional num momento em que os manifestantes, estimulados pelas rebeliões na Tunísia e Egito, entram em confronto com o aparato de segurança de um dos países árabes mais fortemente controlados.

REDUTO DA OPOSIÇÃO

Cercada por comunidades agrícolas, Deraa é um bastião de tribos da maioria muçulmana sunita da Síria, que se ressente do poder e da riqueza conseguidos por uma elite da minoria muçulmana alauíta, da qual Assad faz parte.

Uma estátua do pai dele, o ex-presidente Hafez al-Assad, foi derrubada na semana passada em Deraa. Em seguida, forças de segurança à paisana postadas em edifícios abriram fogo com armas automáticas contra a multidão.

Em 1982, a população também saiu às ruas na cidade de Hama, onde as forças de Assad mataram milhares de pessoas e destruíram boa parte do bairro antigo para esmagar um levante do grupo islâmico Irmandade Muçulmana.

Bashar al-Assad, de 45 anos, agora enfrenta a pressão para levantar o estado de emergência usado desde 1963 para abafar a oposição política, justificar prisões arbitrárias e dar amplo poder a um extenso aparato de segurança.

Os manifestantes querem a libertação dos prisioneiros políticos e informações sobre o destino de dezenas de milhares de desaparecidos nos anos 1980.

(Reportagem de Yara Bayoumy, Khaled Yacoub Oweis, Ece Toksabay e Alexandra Hudson)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIADERAATIROS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.